publicidade

Estiagem

Casan compra três bombas para reforçar abastecimento de água na Grande Florianópolis

A capacidade de fornecimento será ampliada em até 15 dias, garante a direção da estatal 

13/08/2019 - 15h19

Compartilhe

Por Juliana Gomes
superintendente da Casan na Região Metropolitana, Joel Horstmann
superintendente da Casan na Região Metropolitana, Joel Horstmann, em coletiva na manhã desta terla
(Foto: )

A falta d'água na Grande Florianópolis será resolvida em até 15 dias, prometeu a Casan na manhã desta terça-feira (13) em uma entrevista coletiva em Florianópolis. Nesse período, a companhia vai fazer a instalação de três bombas no Rio Cubatão para melhorar a vazão em litros por segundo da água.

Segundo o superintendente da Casan na Região Metropolitana, Joel Horstmann, a companhia prevê para junho do ano que vem o início da operação de uma nova adutora no Rio Cubatão. Conforme o engenheiro Fábio Krieger, essa nova adutora no rio Cubatão vai fazer a casa deixar de ser refém do Rio Pilões, que é um rio mais exposto às variações em tempos de seca.

Há um mês não chove na Grande Florianópolis e, conforme a Casan, atualmente 70% do abastecimento na região é feito a partir do Rio Vargem do Braço. O manancial desse rio está entre 30 e 40% abaixo do normal. Os projetos para construir a nova do Rio Cubatão no ano que vem estão em andamento e vão representar um investimento de 25 milhões de reais.

O superintendente Joel Horstmann deu um panorama do abastecimento na Grande Florianópolis:

— Esse manancial do Cubatão não tem problema de nível. O de Pilões estabilizou, de 10 dias para cá não tem baixado nem subido. Emergencialmente, instalamos esse conjunto de motobomba, estamos adquirindo mais três que devem chegar daqui a 15 dias para suprir essa falta que faz hoje esses 18%. As três bombas vão dar 400 litors por segundo. Mesmo quer permaneça essa estiagem por mais um período, após esses 15 dias a gente vai conseguir manter o estacionamento.

O engenheiro Fábio Krieger explicou que a obra da nova adutora vai reduzir a dependência:

— Esta adutora de captação nos permite evitar que futuramente tenhamos problemas com uma baixa de vazão do Rio Vargem do Braço, de Pilões, que é o que está acontecendo hoje. Também temos estudos para procurar outro manancial, principalmente em direção à região norte, como o Rio Biguaçu e o próprio Rio Tijucas, que está a 50 quilômetros da bacia de captação que atende em Florianópolis

A Casan garante que apenas as regiões mais altas e ponta de rede tem sofrido intermitência no abastecimento. O sistema é interligado.

Deixe seu comentário:

publicidade