publicidade

Homicídio

Catarinense é morta em Luxemburgo e namorado é suspeito do crime

Dione Streckert, natural de Xaxim, morreu na noite de sábado no país europeu

12/08/2019 - 09h25 - Atualizada em: 12/08/2019 - 22h09

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Darci
Por Darci Debona
Dione Streckert, de 52 anos, teria sido morta dentro de casa na cidade de Esch-sur-Alzette
Dione Streckert, de 52 anos, teria sido morta dentro de casa na cidade de Esch-sur-Alzette
(Foto: )

Uma mulher catarinense foi assassinada no sábado à noite em Luxemburgo, pequeno país europeu localizado entre França, Alemanha e Bélgica. Dione Streckert, 52 anos, teria sido morta dentro de casa na cidade de Esch-sur-Alzette, na fronteira com a França e a cerca de 20 quilômetros da capital, também chamada Luxemburgo.

Segundo informações dos jornais locais LUX24 e L'essentiel, Dione morreu após ter sido atacada em casa por volta das 18h de sábado. A polícia local foi acionada e, segundo os jornais, encontrou a mulher caída no chão com ferimentos pelo corpo. Ela chegou a ser atendida pelos socorristas e levada ao hospital, mas não resistiu.

Conforme as informações da polícia local, o namorado de Dione, um homem de origem portuguesa, é o suspeito do crime e foi preso. Ainda não há informações sobre a motivação. Uma vizinha da vítima, que não quis se identificar, relatou ao NSC Total que antes do crime era possível ouvir alguns gritos, mas no momento não foi possível identificar o que estava acontecendo.

Outros brasileiros que moram em Luxemburgo relataram por meio das redes sociais que o crime chocou a comunidade estrangeira do país. Na noite do crime, todo o quarteirão onde o assassinato ocorreu chegou a ser bloqueado pela polícia.

Conforme os jornais locais, a família de Dione já está a caminho de Luxemburgo. A reportagem tentou contato com o Consulado Brasileiro em Bruxelas (que responde por Luxemburgo). Em nota, o Itamaraty informou que a Embaixada do Brasil em Bruxelas, na Bélgica, "já foi instruída a contatar as autoridades luxemburguesas para acompanhar de perto o caso e a oferecer o atendimento consular cabível aos familiares da vítima".

De acordo com uma sobrinha da vítima, que mora em Treze Tílias, sua mãe, que mora na Áustria, e uma prima, que mora na Itália, estão indo para Luxemburgo, onde devem chegar à noite.

Ela afirmou que a tia tinha três filhas e um filho. O rapaz mora em Londres. A filha mais velha mora em Treze Tílias, uma mora na Itália e a caçula, de nove anos, morava com ela e o companheiro, que é suspeito.

A menina foi levada para um abrigo.

— Conheci esse namorado dela há dois anos, quando morava na Áustria e eles visitaram nossa casa. Na quarta-feira ela viria de férias para o Brasil — lamentou.

País recebe centenas de catarinenses

A pequena nação de Luxemburgo é conhecido por receber muitos catarinenses que descobrem ter direito à cidadania do país. Segundo informações do consulado, SC tem cerca de 5 mil descendentes de luxemburgueses, boa parte na Grande Florianópolis — razão que faz a cidade de Palhoça ter desde o começo do ano um Consulado luxemburguês no município.

Como o país possui uma legislação ampla para a obtenção de cidadania e tem um dos melhores IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do mundo, a procura pela dupla-cidadania é grande entre os catarinense com descendência luxemburguesa.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade