nsc
an

Pandemia

Catarinense muda rotina na África por medo da variante Ômicron: "Incerteza"

Mutação potencialmente mais infecciosa foi identificada pela primeira vez na África do Sul e deixou o mundo em alerta

30/11/2021 - 11h54

Compartilhe

Fernanda
Por Fernanda Mueller
Catarinense está fazendo intercâmbio na África do Sul
Catarinense está fazendo intercâmbio na África do Sul
(Foto: )

O anúncio da variante Ômicron da Covid-19, potencialmente mais infecciosa, mudou a rotina da catarinense de Joinville, Nicole Ganzenmüller, 35 anos, que está na África. Com o pânico global e fechamento das fronteiras, ela conta que está apreensiva se vai conseguir retornar ao Brasil, e precisou alterar os planos de viagem. 

> Compartilhe esta notícia no WhatsApp 

A catarinense está fazendo intercâmbio na África do Sul, país onde a mutação foi detectada pela primeira. Ela relata que chegou na Cidade do Cabo, no dia 19 de novembro. Durante a primeira semana o clima estava normal. No entanto, na última sexta-feira (26), a Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou a variante como "preocupante", e foi quando os países começaram a adotar novas restrições. 

— Eu vi que tinha notícias sobre a nova variante quando cheguei, mas até então não tinha nada demais pra nós aqui. Na sexta-feira (26), veio o comunicado que o Brasil ia fechar as fronteiras, e aí começou o alvoroço — relata.  

Após terminar as aulas de inglês, Nicole iria viajar pela África, mas decidiu mudar os planos por se sentir insegura. 

— Na minha terceira semana aqui eu ia viajar para vários lugares. Eu iria para Joanesburgo e ia fazer um Safari, mas acabei desistindo por causa dessa incerteza do que vai acontecer. Preferi ficar aqui na Cidade do Cabo, porque aqui está mais tranquilo em relação a variante, tem só um caso de Ômicron.  

A catarinense relata ainda que o clima no país não é de pânico. As medidas sanitárias continuam as mesmas de antes da variante ser detectada. O uso de máscaras é obrigatório em locais fechados e abertos e há toque de recolher até a meia-noite.  

— Aqui a vida continua normal, parece que não tá acontecendo nada. Tem baladas, muitos turistas, inclusive bastante brasileiros. O presidente não aumentou as restrições. Continua no nível um, o mais básico. Mas tem álcool em gel por tudo, sempre tem alguém na porta dos lugares medindo a temperatura. Eles são mais cuidadosos do que no Brasil. Mas já estava assim antes — declara.  

Fronteiras do Brasil com a África fechadas 

Na sexta-feira (26), o Brasil anunciou o fechamento das fronteiras com seis países da África: África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Namíbia e Zimbábue. A medida é válida por 14 dias. 

Nicole acredita que poderá retornar ao Brasil, já que o seu voo, marcada para 12 de dezembro, faz escala na Etiópia. Porém, segue apreensiva, já que as medidas mudam a todo o momento. 

> Vacinas da Covid protegem contra variante Ômicron? O que dizem fabricantes

Sobre a variante Ômicron 

Identificada na África do Sul com o primeiro caso no dia 18 de novembro, a nova variante deixa o mundo em alerta por conta da alta taxa de transmissão. A OMS acredita que serão necessárias várias semanas para entender a capacidade que a nova mutação do coronavírus têm para se propagar no organismo. 

Já há casos da nova variante em todos os continentes. Veja quais países já identificaram a nova cepa em seus territórios:   

  • África do Sul 
  • Alemanha 
  • Austrália 
  • Áustria 
  • Bélgica  
  • Botsuana  
  • Canadá  
  • Dinamarca  
  • Holanda  
  • Hong Kong  
  • Israel  
  • Itália  
  • Japão 
  • Reino Unido  
  • República Tcheca 

Leia também 

Carnaval em SC não está autorizado neste momento, diz secretário de Saúde

Santa Catarina não tem registros de casos da variante ômicron, diz Saúde

Mais de 60 cidades de SC não tem casos ativos de Covid-19; veja lista

Colunistas