nsc
    dc

    Alimentação mais cara

    Cesto básico aumenta 4,5% em abril, em Chapecó 

    É o sexto aumento consecutivo. A cesta básica, com 13 produtos, também aumentou, 3,5% 

    14/04/2020 - 11h16

    Compartilhe

    Darci
    Por Darci Debona
    Cebola aumentou 70% em Chapecó
    SC é grande produtor de cebola mas teve grande demanda do Nordeste e menos importação da Argentina
    (Foto: )

    O cesto básico, composto por 57 produtos, aumentou 4,56% em abril, em relação a março, segundo pesquisa do Centro de Ciências Econômicas da Unochapecó, em parceria com o Sindicato do Comércio da Região de Chapecó (Sicom). De acordo com a coordenadora do projeto e do Curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, Bruna Furlanetto, há impacto do coronavírus no resultado.

    Acompanhe todas as notícias do coronavírus

    - Num primeiro momento teve uma demanda grande de alimentos e depois teve um pouco de redução pois alguns estabelecimentos estão fechados. Também não conseguimos fazer pesquisa com o álcool 46 pois não encontramos o produto em nenhum dos dez estabelecimentos pesquisados – disse.

    O custo do cesto aumentou R$ 63,29 em um mês, passando de R$ 1.395,34 para R$ 1.458,63. Com isso as pessoas precisam de R$ 1,4 salário mínimo para comprar o cesto. A Cesta Básica, que tem somente 13 produtos, também aumentou, 3,61%, de R$ 320,60 para R$ 332,17.

    O produto que teve maior percentual de aumento foi a cebola, com 70,56%, chegando próximo de R$ 4,00 por quilo. Isso teria ocorrido por uma demanda maior do produto de Santa Catarina para o Nordeste, além de uma redução nas importações da Argentina, devido a restrições causadas pelas medidas de combate ao Covid-19. A banana aumentou 30% e, o leite integral, 27,98%.

    De acordo com o Sindicato das Indústrias de Laticínios e Derivados de Santa Catarina (Sindileite), houve uma redução da oferta superior a 20% devido ao período de entressafra aliado a problemas causados pelas estiagem, que afetou a alimentação das vacas.

    A estiagem também ajuda a explicar a alta do feijão, que foi de 23,5%. Extrato de tomate também está no “top five” dos aumentos, com 24,7%.

    Em compensação alguns produtos tiveram redução, principalmente os hortifrutigranjeiros. A alface caiu 17,5%, o tomate 11,1% e, a batata inglesa, 10,1%.

    O cesto básico aumentou pela sexta vez consecutiva em Chapecó e está 3,5% mais caro que há um ano.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Economia

    Colunistas