nsc
an

Susto

Cobra venenosa é encontrada dentro de carro em Jaraguá do Sul; veja o vídeo

Cobra falsa-coral tinha quase um metro de comprimento e estava escondida dentro do veículo

12/06/2021 - 08h00

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Cobra falsa-coral encontrada em Jaraguá do Sul
Cobra falsa-coral encontrada em Jaraguá do Sul
(Foto: )

Um morador de Jaraguá do Sul levou um susto ao encontrar uma cobra com quase um metro de comprimento dentro do carro. O caso ocorreu nesta sexta-feira (11) no bairro Ilha da Figueira e a Fundação Jaraguaense de Meio Ambiete (Fujama) foi acionada para resgatar o animal, que estava na parte de trás de uma Fiorino.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Era uma cobra falsa-coral e, segundo o órgão, estava calma e possivelmente dormindo. O biólogo da Fujama, Christian Raboch, afirmou que foi "a maior serpente dessa espécie" ná capturada na cidade.

Depois de ser retirada do veículo, a cobra foi solta em uma área de mata em Jaraguá do Sul. O biólogo que participou do resgate, Gilberto Ademar Duwe, explicou que a falsa-coral (Oxyrhopus clathratus) também contém veneno, mas que suas presas pequenas dificultam a picada:

- É mais difícil injetar a toxina, ela precisa ficar mordendo por um tempo maior para que o veneno escorra e entre no corpo da vítima.

A cobra-coral verdadeira provoca sérios riscos quando ataca humanos. O efeito do veneno bloqueia o sistema neuromuscular e causa insuficiência respiratória, além de deixar a visão turva, dificultar a deglutição e provocar vômitos.

No entanto, Duwe afirma que as diferenças entre as cobras corais e as falsas-corais não são tão fáceis de identificar, por isso, é importante que as pessoas não mexam ou tentem capturá-las sem auxílio de um profissional.

- Temos no Brasil cerca de trinta espécies de corais verdadeiras e mais de 60 de falsas-corais, então, não existe uma regra para identificá-las, tem que tomar cuidado - alerta o biólogo.

Nesta época do ano, com as temperaturas mais frias, é comum as serpentes procurarem locais mais quentes para se protegerem. Por isso, podem entrar em casas, carros e outros ambientes.

*Com informações do G1 SC

Leia também

Cachorro ataca ladrão e ajuda policial a evitar crime em Porto União

Colunistas