nsc
nsc

Não é história de pescador

Coluna Os Manés: Gilberto Nahas botou os 22 jogadores de Avaí e Figueirense pra rua no mesmo jogo

Coluna assinada pelos nativos Rodrigo Stüpp e Jorge Jr. será publicada todas as terças e sextas-feiras no jornal e no site da Hora de Santa Catarina

05/05/2015 - 03h10

Compartilhe

Por Redação NSC
Nahas deu vermelho pra todo mundo e foi um rolo só
Nahas deu vermelho pra todo mundo e foi um rolo só
(Foto: )

Môsquiridus, amanhã tem clássico pela Copa do Brasil e a gente já imagina o rebuceteio que vai ser esse jogo, não tem? Já pensasse se sai um talagaço de um dos dois lados? Medêshducéli, a cidade vai falá do jogo por mais um ano! Podes crê que vai tê um achincachando o outro, o Galego e o França chegando junto, acicando, talicôza. Olha, o Dalonso, juiz, já não agradou um mundaréu de gente. O xará do galego aqui da coluna vai ouvir um monte de aleivo da raça nas arquibancadas e dos jogadores.

Não quis nem sabê

Agora, é másh fácil o mundo acabar que ele fazer quiném o Gilberto Nahas. Em 1971, o juiz, que bateu a caçoleta em 2010, mandou os 22 jogadores pra rua! Os manés que não estudaram na escola do Balduíno sabem que esse foi o "Clássico da Vergonha".

Quirido, liga ash côza: 1964, começando o regime militar, época em que a Biaba comeu solta no país. Pôsh inventaram um amistoso da "Revolução Democrática (!!!) que acabou aos 10min do 2º tempo, quando o jogo tava 0 a 0.

Tinha até mulhé no rolo

O pau pegou quando o atacante Cláudio, do Figueirense, e o zagueiro Deodato, do Avaí, disputaram uma bola e começaram a batê língua - uns malino dízi que foi por causa de uma mulher. Rapázi, veio todo mundo pro rolo, tapa na cara, talicôza.

Os milicos que tavam sendo homenageados ficaram enfezados. Desceram pro vestiário querendo que o quiridu voltasse o jogo e pronto. Nahas tava acostumado a lidar com isso: era sargento da marinha. Chegou a tomar uma chamada de um almirante, mash que disse que o juiz mudou de ideia? Empombou que não tinha másh jogo, disse que no campo mandava ele e cabôsse.

::: Hora estreia coluna escrita em Manezês, o dialeto de Floripa

::: Confere TODAS as colunas dos Manés, ô Coxa Colada!

Os Manés Istípi e Zórzi. Foto: Betina Humares

Os dotô da lei deram um jeito

Adispôsh, pensa no apavoro dos dirigente dos dois times. Tavam encagaçados que os jogadores tomassem um gancho. Mash que nem hoje, no Tribunáli, sempre tem os guéri-guéri. Como o juiz não tinha colocado na súmula os números e os nomes da cambada que tinha sido expulsa, todo mundo foi liberado. Tu vê, tu vê...

Em cana

Os zagerádo da época disseram que o Nahas ficou uma semana em cana. Alguns anos antes de morrer, em 2010, ele dizia que só tinha proibido de ir da Marinha pra casa um só um diazinho só.

Glossário

Achincachado: Esculhambado

Aleivo: xingamento, ofensa

Acicar: provocar

Medêshducéli: meu Deus do céu

Quiném: que nem

Bater a caçoleta: morrer

Escola do Balduíno: colégio para burros

Biaba: porrada

Bater língua: discutir

Enfezado: Brabo

malino: mal intencionados

Empombou: Insistiu

Cabôsse: acabou-se

Zágerado: exagerado

Guéri-guéri: enrolação, jeitinho

Colunistas