publicidade

Cotidiano
Navegue por

Dia de mobilização

Confira os serviços afetados pela greve geral de 14 de junho em Florianópolis

Prefeitura informou que haveria transporte alternativo, mas sindicato da categoria decidiu não prestar o serviço

13/06/2019 - 17h47 - Atualizada em: 14/06/2019 - 06h23

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
(Foto: )

Em função da greve geral contra a reforma da Previdência prevista para esta sexta-feira (14), serviços básicos como transporte coletivo, saúde e escolas têm alterações em Florianópolis.

Confira a previsão para os serviços em cada setor:

Transporte coletivo

Os motoristas e cobradores da Grande Florianópolis decidiram aderir à mobilização nacional durante 24h. A Prefeitura de Florianópolis havia informado que disponibilizaria cerca de 300 veículos e micro-ônibus para auxiliar a população da Capital. No entanto, na noite desta quinta-feira o sindicato da categoria informou que não irá prestar o serviço de transporte alternativo.

Coleta de lixo

Não haverá coleta da Comcap. A orientação é que os moradores não coloquem o lixo nas ruas. No sábado os serviços serão realizados normalmente.

Escolas

Tanto o Sintrasem, sindicato responsável pelos servidores municipais da Educação, como o Sinte/SC, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública de Ensino do Estado, aderiram ao movimento. A orientação da prefeitura de Florianópolis é de que os pais de alunos liguem primeiro para as unidades de ensino para confirmar se haverá aula para a turma do seu filho. Com a paralisação no transporte coletivo, muitos servidores não devem ir trabalhar. A orientação da Secretaria de Estado da Educação (SED) é que as aulas sejam mantidas normalmente nesta sexta-feira. Porém, a ausência dos profissionais da Educação será considerada falta. Mas a SED garante que não haverá prejuízo aos alunos da rede em decorrência da mobilização.

Saúde

Servidores de Florianópolis e do Estado vão paralisar nesta sexta-feira, a partir das 7h. A decisão abrange as cidades de Florianópolis, Joinville, Ibirama, Mafra e Lages onde há bases locais do sindicato. Conforme o Sindisaúde, serão mantidos apenas os atendimentos de urgência e emergência e outras atividades que em caso de suspensão possam ameaçar a saúde do paciente. Na Capital, os servidores municipais da saúde também podem ser prejudicados pela falta de transporte coletivo e os serviços nos centros de saúde devem estar reduzidos. Os hospitais estaduais estarão funcionando normalmente.

Bancos

Os bancários aprovaram a paralisação, mas nesta quinta-feira não havia confirmação de quantos trabalhadores iam aderir à greve.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação