publicidade

Verão

Conheça os sotaques da Praia Brava de Florianópolis

A praia do Norte da Ilha é uma das mais procuradas pelos vizinhos do Brasil

18/01/2019 - 06h30 - Atualizada em: 18/01/2019 - 07h30

Compartilhe

Felipe
Por Felipe Carneiro
Ambulantes deixam claro que todos são bem-vindos à Praia Brava.
Ambulantes deixam claro que todos são bem-vindos à Praia Brava.
(Foto: )

Hola, se alquila, bienvenido. O sotaque da Praia Brava, no Norte da ilha de Florianópolis, é latino e é ouvido a todo momento por quem passa por aqui. É comum encontrar com algum trabalhador das areias do local, brasileiro, que lhe cumprimente e ofereça algo na língua espanhola. Nos guarda-sóis e barracas, grupos cantam e brincam, alegres, também portanto o sotaque estrangeiro que já não é mais novidade na Brava. Diga-se de passagem, há bastante tempo.

Argentinos, paraguaios, uruguaios, chilenos e até alguns bolivianos, começam a chegar nas terras catarinenses, geralmente, na metade do mês de janeiro e permanecem até meados do carnaval. Para os ambulantes fazem a diferença nas vendas, como conta a maranhense Adélia de Souza: "Eles (os estrangeiros) ainda não vieram como a gente esperava, mas vão vir e gostam de comprar nossos produtos" - referindo-se aos chapéus que carrega nas mãos.

No sofá inflável, o argentino descansa olhando para o mar.
No sofá inflável, o argentino descansa olhando para o mar.
(Foto: )

O tatuador que trabalha com henna, de nacionalidade uruguaia, Carlos Patrício, parece estar acostumado a desenhar as letras do time do país vizinho, Boca Juniors. "Não é meu time e nem do meu país, mas todos nós o conhecemos"- diz, sorrindo, após realizar o trabalho na pele de um turista, provavelmente, argentino.

Durante a temporada não se vê a praia vazia.
Durante a temporada não se vê a praia vazia.
(Foto: )

Brasileiros dividem espaço com hermanos com tranquilidade, inclusive no jogo de altinha de duplas (esporte em que os jogadores não podem deixar a bola encostar no chão, com todos a tocando). O surfe também é praticado por todos e já não se ouve mais a velha piada de que Pelé é melhor que Maradona e vice-versa. Na Brava, o espaço é eclético e respeitoso, indicando que a rixa causada pelo futebol entre os latino-americanos ficou num passado distante. E que assim permaneça!

Deixe seu comentário:

publicidade