nsc

Economia em pandemia

Consumo de energia cai 20% e inadimplência aumenta 12%, aponta Celesc

Empresa analisa consequências do coronavírus para o setor elétrico catarinense 

13/05/2020 - 13h04 - Atualizada em: 13/05/2020 - 13h06

Compartilhe

Mateus
Por Mateus Boaventura
Estação da Celesc
Celesc vê situação preocupante para o setor
(Foto: )

A pandemia do coronavírus trouxe duas consequências imediatas ao setor elétrico em Santa Catarina: a redução do consumo de energia elétrica e o potencial aumento da inadimplência no estado. As informações são da Celesc.

>> Em site especial, saiba tudo sobre o coronavírus

A Celesc observou representativa redução de cerca de 20% no consumo médio global de energia elétrica no Estado em abril. A retração corresponde a índices registrados há, aproximadamente, 20 anos.

O percentual foi puxado pela classe industrial (maior consumidora de energia elétrica), que registrou queda de 22% no consumo de energia, em relação ao mesmo período do ano passado; seguida pela classe comercial, com redução de 15% neste consumo.

Já a adoção de medidas de isolamento social levou as pessoas a permanecerem mais tempo em casa, elevando em 14% o consumo da classe residencial no último mês, em relação a abril de 2019. Com isso, a conta de luz pode ficar mais cara.

Em abril de 2020 a inadimplência entre os consumidores de energia elétrica um aumento de 12%, quando comparada ao mesmo período do ano passado. Esse percentual acompanha o índice registrado pelas demais distribuidoras que atuam no Brasil, conforme dado divulgado recentemente pelo Ministério de Minas e Energia.

O aumento é reflexo da medida anunciada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que proibiu o corte no fornecimento de energia por falta de pagamento das contas de luz, no prazo de 90 dias. Em Santa Catarina, o maior impacto foi entre as classes consumidoras Industrial e Comercial que, juntas, registraram aumento de cerca de 42% de inadimplência. A Celesc aponta que essa situação, somada à queda no consumo de energia dessas mesmas classes, pode afetar a saúde financeira das empresas do setor.

Colunistas