nsc

    Consumidor

    Coronavírus: dificuldades para renegociar empréstimos bancários vão parar na Justiça 

    Após ação do MPSC, agências do BB de todo país terão que divulgar canais para renegociação 

    22/05/2020 - 12h32

    Compartilhe

    Por Juliana Gomes
    Bancos em Florianópolis após restrições da pandemia exigem distanciamento entre clientes na fila
    Bancos em Florianópolis após restrições da pandemia exigem distanciamento entre clientes na fila
    (Foto: )

    Em todo país, as agências do Banco do Brasil, terão que abrir e divulgar amplamente os canais e as formas para renegociar o prazo das parcelas de empréstimos e financiamentos. A determinação da Justiça parte de uma ação do Ministério Público de Santa Catarina depois de um inquérito aberto com base em reclamações de consumidores durante a pandemia do coronavírus, conforme a promotora de Justiça Analú Liberato Longo.

    - Havia clientes do Banco do Brasil que não conseguiam sequer informações e nem mesmo iniciar as negociações que foram divulgadas pelo Banco Central e pelo próprio Banco do Brasil como socorro à economia – explicou.

    O Banco do Brasil informou por meio de nota que avalia os termos da decisão e que vai se manifestar nos autos do processo.

    > Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

    A 1ª Vara da Fazenda da Capital estendeu nessa quarta-feira (20) para todo país a decisão que na semana passada seria aplicada às agências de Florianópolis. Pela determinação, agências que não divulgarem medidas e canais de renegociação de empréstimos em até cinco dias após a notificação da Justiça estão sujeitas a multa de R$ 100 mil por dia, conforme Analú Longo.

    - Por esta decisão o Banco está obrigado não só a implementar um fluxo adequado para recebimento e análise dos pedidos de prorrogação das prestações, mas a criar um ícone em seu site, em seus canais de comunicação, com perguntas e respostas que podem servir como um verdadeiro check-list para avaliar a sua situação individual – afirmou.

    Para todo país

    Para que a decisão ganhasse extensão nacional, o Ministério Público mencionou entre os argumentos o entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de que, nos casos de danos regionais e nacionais, os foros das capitais dos estados são competentes para julgar ações com efeitos para o território nacional. Conforme a promotora Analú Liberato Longo, a medida deve facilitar o atendimento à população.

    - Por meio dessa espécie de ícone no site, será possível saber quais contratos estão sujeitos a prorrogação, as condições, se haverá juros nas parcelas, se está sendo proposta uma alteração no prazo do vencimento do contrato ou suspensão das prestações, se consiste em novo contrato, se haverá incidência de multas e juros – explicou.

    A investigação do Ministério Público terá agora uma segunda fase, com a análise dos contratos firmados, para verificar se de fato são um socorro aos afetados pela pandemia. Eventuais ilegalidades poderão dar início a uma nova ação civil pública para anular as cláusulas que prejudicam o consumidor. A preocupação do MP é de que, na prática, não sejam uma oferta de prorrogação do prazo de empréstimos, mas uma renegociação das dívidas, com juros e outros encargos.

    Outras reclamações

    Nessa quinta-feira (22), o Procon de Florianópolis notificou cinco bancos após reclamações como as de usuários que ficaram horas na fila e não conseguiram resolver seus problemas, já que muitos serviços não estão disponíveis durante a pandemia.

    Eles afirmam não terem sido avisados disso. Ao menos 20 pessoas procuraram o Procon nos últimos dias com denúncias sobre diferentes bancos.

    Após a notificação, os bancos agora terão que expor horários e serviços prestados em cartazes e outras formas de divulgação nas agências. A ação dos fiscais do Procon deve ter continuidade nesta sexta (22).

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas