nsc
    dc

    Pandemia

    Defensoria Pública recomenda lockdown em Lages para conter avanço do coronavírus

    Documento enviado ao município pede suspensão de atividades por pelo menos sete dias por causa do avanço da covid-19 e da ocupação perto de 100% dos leitos de UTI

    29/07/2020 - 15h07 - Atualizada em: 29/07/2020 - 15h11

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Fiscalização de serviços em funcionamento vem sendo feita pelo município, mas defensoria aponta que estratégia está sendo insuficiente para conter a covid-19
    Fiscalização de serviços em funcionamento vem sendo feita pelo município, mas defensoria aponta que estratégia está sendo insuficiente para conter a covid-19
    (Foto: )

    A Defensoria Pública do Estado de Santa Catarina (DPE-SC) recomendou ao município de Lages, na Serra Catarinense, que suspenda todas as atividades não essenciais, inclusive o transporte público, por pelo menos sete dias.

    > SC tem 12 regiões em estado gravíssimo para o coronavírus

    O ofício foi encaminhado por causa do preocupante cenário de quase 100% de ocupação de leitos de UTI na cidade.

    Nesta quarta-feira (29), os hospitais de Lages atingiram 94% de ocupação em todos os leitos de UTI exclusivos para covid-19 e a cidade contabilizava 1.047 casos confirmados de infecção pelo coronavírus, além de 15 óbitos. Segundo a Defensoria, municípios vizinhos com situação semelhante já decretaram a suspensão das atividades não essenciais.

    No documento encaminhado ao município, a defensora argumenta que, com as atividades e serviços não essenciais em funcionamento, permanece intensa a circulação de pessoas, propiciando maior transmissibilidade do novo coronavírus.

    “As medidas tomadas até agora, inclusive com fiscalização de bares e restaurantes, não estão surtindo efeito e a situação sanitária está no limite. Por isso a recomendação de lockdown”, explica a defensora pública Mariana Macêdo no pedido enviado ao município.

    > Chapecó amplia restrições contra o coronavírus e prefeito afirma: "Aglomeração é deboche"

    O prefeito Antonio Ceron e o secretário de Saúde Claiton Camargo de Souza têm quatro dias para responder à Defensoria, dizendo se acatam ou não a recomendação e por quê. Caso contrário, a situação pode ser levada ao Poder Judiciário.

    O prefeito de Lages recebeu o ofício por volta das 15h30min desta quarta-feira e vai responder o documento após consultar a Secretaria de Saúde e a procuradoria do município.

    Na manhã desta quarta-feira, o prefeito adiantou medidas que devem integrar um novo decreto com medidas restritivas a ser publicado até esta quinta-feira (30). Entre elas estão multa para quem andar sem máscaras e para quem ceder casas ou propriedades para festas. Também são cogitadas restrições no horários de funcionamento do comércio aos fins de semana. 

    > Médico de Lages morre vítima de coronavírus aos 55 anos

    * Com informações da assessoria de imprensa da Defensoria Pública de SC e da prefeitura de Lages

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas