nsc
    dc

    Coronavírus

    Coronavírus: o alerta que vem do Amazonas

    Com mais de 96% dos leitos de UTI ocupados e o número crescente de casos de Covid-19, o estado com maior extensão territorial do país chora a perda de muitas vidas. Lições a serem aprendidas

    02/05/2020 - 06h33

    Compartilhe

    Everton
    Por Everton Siemann
    Por Ângela Bastos
    manaus-1
    O aumento de mortes em Manaus já ocasiona um colapso até mesmo no sistema funerário, devido a necessidade de urnas
    (Foto: )

    As imagens são impactantes, assustam e ganharam o mundo nas últimas semanas. Dezenas de caixões de um lado, homens e máquinas pesadas trabalhando em outro para abrir covas em um dos cemitérios de Manaus. Elas surgem como resultado de uma triste equação: infraestrutura insuficiente e falta de conscientização de parte da população.

    Assim, em poucos dias, o sistema de saúde amazonense entrou em colapso e muitas pessoas passaram a perder a luta contra a pandemia do coronavírus. Um caso extremo que pode servir de alerta aos catarinenses.

    Esse cenário é confirmado por quem vive na capital manauara. Há seis anos em Manaus, a jornalista catarinense Franciele Cardoso conta que o sistema de saúde da região já vinha passando por problemas há alguns anos, sendo foco de investigações e operações da polícia. Natural de Blumenau, Franciele atuou até pouco tempo como repórter em uma emissora de TV local, e cobriu de perto a situação.

    – A estrutura é muito precária e está colapsada. Sinto que os governantes não se prepararam e muitas pessoas não estavam preocupadas com a pandemia. Muita gente está tomando os cuidados e fazendo o isolamento social, mas muita gente não está nem aí – conta Franciele.

    De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas no último dia 23, dos 668 leitos disponíveis para atendimento de pacientes com Covid-19 na rede de saúde, 90,5% estavam ocupados. Entre os 222 leitos de UTI, a taxa de ocupação era de 96%, enquanto dos 446 leitos clínicos, 85% deles estavam ocupados, conforme reportagem do portal G1 do Amazonas.

    Mãe de uma bebê com seis meses, Franciele tem cumprido o isolamento social e diz conviver com o medo, pela falta de perspectiva.

    O pior sentimento é não ter nenhuma previsão, nenhuma expectativa Franciele Cardoso, jornalista
    manaus-2
    (Foto: )

    Pés em Florianópolis e coração em Manaus

    A manauara Daiane Lemos, 31 anos, veio para Florianópolis em busca de melhores condições de vida. Desde janeiro, quando chegou, as expectativas sobre o novo endereço correspondiam e a vida corria com sossego: emprego, creche para o filho de quatro anos e casa boa para morar. Mas a tragédia que o coronavírus provoca em Manaus tirou a paz da consultora comercial.

    – Minha família está toda lá e mora na zona leste, a área da cidade mais atingida. Das quatro pessoas conhecidas que soube estarem infectadas, duas já morreram – conta.

    Para Daiane, o grande número de pessoas contaminadas na cidade natal (pouco mais de 2,7 mil até o fechamento desta edição) tem a ver com vários fatores, inclusive, de moradia:

    – Lá é bem diferente daqui: uma família não mora sozinha numa casa, moram duas três e isso faz com que às vezes tenham 15 pessoas dentro de espaço muito pequena – explica.

    Tem outro ponto que ela considera ter sido responsável:

    – Conheço gente de Manaus que faz quarentena, mas nos bairros mais populosos e de baixa renda a situação é bem complicada – diz ela.

    Para se manter informada, Daiane fala diariamente pelo WhattsApp com a família. A expectativa é sempre um motivo de tensão. Sente-se com os pés em Florianópolis, mas com o coração em Manaus.

    As cenas dos enterros em trincheiras são bem tristes. A gente pede que diante disso as pessoas se conscientizem Daiane Lemos, consultora comercial

    > Em site especial, veja mais informações sobre o novo coronavírus

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas