nsc
    dc

    preços abusivos

    Coronavírus: respiradores ficam cinco vezes mais caros após início da pandemia no Brasil

    Governo de SC busca adquirir aparelhos no mercado internacional, enquanto fornecedores nacionais priorizam o Ministério da Saúde

    28/03/2020 - 15h01 - Atualizada em: 28/04/2020 - 14h09

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação DC
    Governo do Estado precisa adquirir equipamentos no no comércio internacional
    Governo do Estado precisa adquirir equipamentos no comércio internacional
    (Foto: )

    Considerados essenciais para o tratamento dos pacientes infectados pelo novo coronavírus que apresentam agravamento no quadro de saúde, os respiradores são ofertados no mercado internacional - único possível para aquisição do Estado -, por preços abusivos desde o início da pandemia no Brasil. O valor encontrado atualmente é quase cinco vezes mais alto do que o preço normal do aparelho.

    > Em site especial, veja tudo sobre o coronavírus

    Adquiridos anteriormente por valores que variavam entre R$ 60 e R$ 70 mil, agora os aparelhos não baixam de R$ 335 mil. No início da pandemia em território nacional, os respiradores ainda foram oferecidos por R$ 100 mil.

    O alerta para essa crescente elevação de preços foi feita pelo governador Carlos Moisés da Silva (PSL), em coletiva de imprensa no fim da tarde de sexta-feira (27). Ao lado do secretário da Saúde, Helton Zeferino, o governador explicou sobre a impossibilidade da aquisição dos ventiladores no mercado nacional, devido a uma determinação que prioriza a compra com os fornecedores locais ao Ministério da Saúde. Os documentos com valores informados, no entanto, não foram apresentados.

    - Aí vamos no mercado internacional e nos fornecedores que representam o mercado internacional aqui - explica Moisés, sobre o procedimento.

    Segundo o secretário da Saúde, o Estado pretende ampliar os leitos para atendimento dos pacientes com Covid-19 e ter, ao final do processo, 713 novos leitos destinados para as pessoas com agravamento no quadro de saúde. Para isso, o governo busca adquirir na China os novos equipamentos:

    - Hoje os estados vivem um momento que a oferta apresentada é a única disponível. E nós não temos previsão de chegada de ventiladores em curto prazo. O que nós queremos é preparar toda a nossa rede hospitalar para que ela esteja capacitada e habilitada para fazer frente a essa pandemia que está chegando, mas é um processo de mercado tem nos assustado bastante.

    Itália passa de 10 mil mortes devido ao coronavírus; em um dia, país registrou 889 vítimas fatais

    Sem licitação

    A aquisição dos respiradores vai ocorrer de forma direta no Estado. Segundo Moisés, não há tempo hábil para realização de uma licitação e nem oferta de melhor preço. Para tornar transparente e segura as aquisições nesses termos, outros órgãos foram acionados, formando um grupo de trabalho entre o governo e os técnicos da Controladoria Geral do Estado, do Tribunal de Contas do Estado e do Ministério Público.

    - É um grande desafio de transparência, especialmente num momento de crise, que para alguns é uma oportunidade - criticou o governador.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas