nsc
dc

Corrida de rua

Corredor que fraudou Meia Maratona utilizou carro ou moto em mais de 65% da prova 

Participante teve premiação recolhida e foi desclassificado por não cumprir percurso

28/11/2019 - 16h19 - Atualizada em: 29/11/2019 - 06h25

Compartilhe

João Lucas
Por João Lucas Cardoso
Fraude foi comprovada na Meia Maratona de Florianópolis, no último domingo
Fraude foi comprovada na Meia Maratona de Florianópolis, no último domingo
(Foto: )

O corredor amador que foi desclassificado da Meia Maratona de Florianópolis por fraude utilizou um veículo para percorrer mais de 65% dos 21km da prova realizada no último domingo (24), na Capital de Santa Catarina. A estimativa é de que ele tenha percorrido menos de sete quilômetros correndo, o restante foi embarcado em carro ou moto, em parte fora do trajeto. Na última quarta-feira, a organizadora do evento esportivo, a Corre Brasil, informou que foi comprovado que o participante não cumpriu o percurso. Ele chegou a estar no pódio da categoria de sua idade na modalidade 21k (meia maratona).

Pelos dados da corrida atrelados ao corredor, ele chegou a completar os quatro primeiros quilômetros normalmente, quando passou por um ponto de controle, e saiu do percurso em um veículo. Ele chegou a retornar ao trajeto brevemente no km 15 dos 21, onde havia outro controle, em retorno nas mediações da UFSC, no prolongamento da Beira-Mar Norte. Ele voltou ao percurso outra vez para o encerramento, pelo menos dois quilômetros antes da linha de chegada para ‘completar’ em pouco menos de 1h25m.

Entre as parciais, o corredor chegou a completar um quilômetro em 58 segundos. Se tivesse a mesma velocidade que estabeleceu no recorde mundial nos 100m rasos, de 9s58, Usain Bolt percorreria um quilômetro em aproximadamente 1m20seg. Eliud Kipchoge, primeiro homem a correr a distância de uma maratona (42km) abaixo de 2 horas, teve média de 2m50seg por quilômetro.

O proprietário da assessoria esportiva que tinha marca estampada na camiseta usada pelo corredor que fraudou a Meia Maratona de Florianópolis acredita que tenha recebido ajuda de outra pessoa no transporte durante a prova.

— Acredito que tenha sido premeditado, porque é difícil durante a prova um corredor pensar em tudo isso. Como também pode ter feito sozinho, deixado o carro em algum lugar. Ele é um colega da assessoria, não era aluno e eu não prescrevia os treinamentos dele. Havia contato e orientava ele por meio de mensagens, um contato limitado. Mas ele não era aluno. Falei com ele por telefone dias depois, falei que estava decepcionado e ele se desculpou — relata Guilherme Dutra.

'Parciais' de tempo por quilômetro de atleta que fraudou Meia Maratona de Floripa
'Parciais' de tempo por quilômetro de atleta que fraudou Meia Maratona de Floripa
(Foto: )

— Agora está totalmente desvinculado, por não aceitarmos a atitude anti-desportiva. Não é um jovem para passar a mão na cabeça, e nem foi uma atitude qualquer. Ele é uma boa pessoa, mas como profissional e como atleta, prefiro cortar a relação — reitera o treinador.

Para Guilherme Dutra, o ocorrido neste domingo vai aumentar o alerta para outras fraudes em provas de corridas de rua em Florianópolis

— Jamais tive conhecimento de um caso como esse. Há outros que vi e escuto como profissional deste segmento, mas que não são divulgados. Nesta mesma meia, vi gente cortando caminho sobre o canteiro. Se há um lado positivo do ocorrido é que as pessoas vão pensar um pouco mais antes de tentar fraudar uma prova. Inclusive em relação à troca de número de peito, de cedê-lo para um amigo, de não correr sem inscrição.

Leia mais notícias sobre corrida em SC no NSC Total.

Colunistas