Há duas semanas, Stephanny Chrystine Sabini Cechetto, de 22 anos, não recebe mais mensagens de bom dia da avó, Ana Rita Zanelle. A idosa desapareceu no domingo, 22 de outubro, e foi encontrada morta quatro dias depois, enterrada ao lado do esposo Ivo Romano Lerner, 63, aos fundos do terreno em que viviam, em Porto União.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

EXCLUSIVO: Mãe denuncia tortura da filha adolescente em SC por meio do aplicativo Discord

Mesmo com o principal suspeito pelos assassinatos já preso, as famílias do casal e moradores ainda buscam por respostas para entender a motivação do crime que chocou a cidade de pouco mais de de 35 mil habitantes. Este 2023, inclusive, com nove homicídios, foi o mais violento do município dos últimos três anos. Nos anos anteriores, foram apenas duas mortes.

Stephanny mora em Caçador, mas conta que tinha contato diário com a avó, que às vezes mandava áudios ou fazia ligação por vídeo. Uma das suspeitas de que algo estava errado, inclusive, é de que na noite do sumiço Ana Rita parou de receber mensagens no celular por volta das 21h.

Continua depois da publicidade

Mas, como Ana Rita e Ivo moram no interior, já haviam ficado sem internet anteriormente e, por isso, a família não esperava pelo pior. No fim de semana anterior ao desaparecimento, inclusive, a idosa recebeu a mãe de Stephanny em casa e enviou para a neta bolachinhas caseiras que costumava fazer. Na última conversa, trocaram mensagens carinhosas e reforçaram o amor que sentiam uma pela outra.

— Eles faziam de tudo para agradar as pessoas, a maior alegria deles era encher a casa de gente para o almoço de domingo. Não mediam esforços para fazer a gente se sentir bem. Anteriormente, a “vó” foi casada por 10 anos com um senhor um pouco agressivo, por isso estava tão feliz com o casamento. Para mim ainda não caiu a ficha. Ela era saudável, poderia viver muitos anos se não fosse essa fatalidade — lamenta a jovem.

Casal já havia cogitado trocar as fechaduras de casa

Stephanny conta que, nos últimos meses, Ana Rita passou a reclamar que estavam sumindo alimentos de dentro de casa e a principal suspeita era de que o filho de Ivo fosse o responsável por isso. O homem, inclusive, morava a 150 metros do casal e a jovem acredita que ele tivesse feito cópia das chaves da casa dos idosos.

Continua depois da publicidade

Como atuava na lavoura do casal, que produzia soja e milho, era comum que o suspeito fosse visto pelo terreno. Mas a falta de privacidade fez com a a idosa desabafasse com familiares.

— A “vó” tinha trancado as janelas que não tinham cadeado com um pedaço de madeira, mas ele deve ter feito cópia de alguma chave. O senhor Ivo não colocava limites, pelo o que percebemos, e eles pretendiam trocar as fechaduras na semana seguinte — afirma a jovem.

O que se sabe e o que falta ser esclarecido sobre caso de idosos mortos no interior de SC

O filho de Ivo foi preso na quinta-feira, 26 de outubro, mesmo dia em que os corpos foram encontrados. Saul Bogoni Júnior, delegado que iniciou a apuração do caso, disse que, apesar de não haver histórico de briga entre a família, testemunhas relataram divergências financeiras recentes. Foi descoberto, posteriormente, que o suspeito movimentou contas bancárias do casal.

A principal linha de investigação aponta, inclusive, que a motivação dos assassinatos tenha sido por dívidas e outras pendências financeiras que o filho de Ivo tinha. Mas a polícia ainda trabalha para comprovar a hipótese correta.

Continua depois da publicidade

— A minha avó tinha em torno de R$ 17 mil na conta e ele retirou todo esse dinheiro, entre saques e compras no mercado. Da conta do seu Ivo a gente ainda não sabe — afirma Stephanny.

Segundo o delegado Eduardo de Mendonça, que agora esta à frente do caso, o valor total movimentado pelo suspeito só será levantado após o envio dos extratos bancários que já foi solicitado às agências.

Casa estava arrumada, mas vestígios levantaram suspeita

Por viverem no interior, Stephanny diz que de vez em quando o casal ficava sem energia e internet. Por isso, inicialmente, o sumiço não preocupou tanto. Dois dias depois, porém, passaram a suspeitar e entraram em contato com vizinhos na esperança de notícias.

No dia anterior, informaram que já tinham ido à casa do casal, mas como estava tudo fechado, entenderam que não tinha ninguém em casa. Na terça-feira (25), um dos moradores abriu uma janela e entrou no imóvel. O relato foi de que estava tudo organizado e a possibilidade de roubo foi descartada pelos conhecidos.

Continua depois da publicidade

Já na quarta, Stephanny e a família saíram de Caçador e foram a Porto União em busca de respostas e foram à delegacia registram um boletim de ocorrência relatando o desaparecimento. Em uma busca mais aprofundada pela casa, perceberam vestígios que assustaram:

— Nós também tivemos que entrar por uma janela e constatamos que não era bem o que a gente pensava, porque os óculos da minha avó estavam lá, e ela não saía sem óculos. O seu Ivo também dependia de bengala para caminhar, e estava lá. Também tinha comida estragada, que pareciam estar lá desde domingo, e eles fizeram a última anotação no caderno de pressão no domingo à noite — relata.

Uma mancha de sangue foi vista no banheiro e, inicialmente, os parentes acreditavam que os idosos haviam sido sequestrados. Além da casa, também foram feitas buscas por toda chácara e um colchão queimado encontrado no terreno deixou o caso ainda mais estranho e confuso.

— Então nós voltamos para dentro da casa para verificar e a minha mãe disse que tinha um colchão faltando. Como a cama deles estava arrumada, com lençol e tudo, provavelmente a pessoa pegou o colchão velho e colocou no lugar do novo. Nisso, o irmão do seu Ivo viu que a terra estava mexida, eles cavaram e acabaram encontrando o local que os corpos foram enterrados. Minha mãe entrou em desespero — conta.

Continua depois da publicidade

O filho de Ivo chegou a participar junto de outros familiares e vizinhos nas primeiras horas de buscas, mas depois sumiu. Como na segunda-feira (23) foi visto por vizinhos arando a terra com um trator no mesmo local em que os cadáveres estavam, tornou-se o principal suspeito, principalmente porque está fora de época de plantio.

Stephanny complementa que o filho de Ivo apresentava um comportamento mais arredio e pouco participava dos almoços em família, no entanto, jamais imaginavam que pudesse ser capaz de cometer o crime. Mesmo preso preventivamente e sendo apontado como autor, no entanto, não confessou os assassinatos em depoimento.

Por conta do colchão queimado, segundo a polícia, mesmo não havendo testemunhas do momento do fato, há indícios que apontam que o casal teria sido morto enquanto dormia, já que havia diversas manchas de sangue na parede e no chão do quarto.

Continua depois da publicidade

Polícia aguarda laudo cadavérico para encerrar o caso

Além de confirmar a autoria dos crimes, a Polícia Civil ainda aguarda o resultado do exame cadavérico do Instituto Médico Legal (IML) para confirmar as causas das mortes dos idosos. A princípio, a suspeita é de que Ivo e Ana Rita tenham sido mortos a tiros, já que as vítimas tinham perfurações na cabeça e no corpo.

Na quinta-feira, quando os cadáveres foram encontrados, familiares do casal entregaram aos policiais uma espingarda que pode ter sido utilizada para cometer os assassinatos. A arma tinha documentação e é registrada no nome do suspeito. A Polícia Científica irá fazer a análise para descobrir se os tiros partiram, de fato, desta espingarda.

Além disso, de acordo com o delegado Eduardo de Mendonça, a polícia aguarda os extratos bancários para confirmar quanto no total de dinheiro foi retirado das contas dos idosos.

Apesar de não ter assumido a autoria do crime, o investigador aponta que ele continua sendo o principal e único suspeito do crime. Há a possibilidade de que ele tenha contado com um cúmplice intelectual, que o auxiliou a arquitetar os assassinatos, mas tudo leva a crer que na ação em si agiu sozinho.

Continua depois da publicidade

Leia também

“Não sou terrorista”, diz morador de SC preso por suspeita de ligação com o Hezbollah

Vizinho de adolescente morta dentro de casa em SC é preso em Joinville

Como Joinville foi “ponto de partida” de megaoperação contra comércio de mercúrio no Brasil

Destaques do NSC Total