nsc
    hora_de_sc

    Comércio

    Dia das mães: dicas de segurança para a compra do presente online

    Com o isolamento social para prevenção à covid-19, o movimento presencial nas lojas deve ser reduzido

    06/05/2020 - 17h45 - Atualizada em: 06/05/2020 - 18h00

    Compartilhe

    Por Janaína Laurindo
    (Foto: )

    O crescimento nas vendas online já tem sido percebida pelo comércio desde o início da quarentena e não deve ser diferente no Dia das Mães. Dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm) apontam um aumento de 30% nas vendas pela internet durante as duas primeiras semanas de abril.

    Para os filhos que desejam presentear as mamães sem sair de casa a opção é a compra pela internet. Mas o coordenador dos cursos de Redes de Computadores e Análise de Desenvolvimento de Sistemas da Faculdade Estácio, Emmanoel Monteiro, dá algumas dicas para o consumidor não cair em golpes virtuais ou ter seus direitos negligenciados. Confira:

    Clareza nas informações

    Opte por sites de marcas que possuam clareza nas informações dos produtos e/ou serviços. É importante também observar se no site de compra constam todos os dados necessários para a localização do fornecedor, como o nome empresarial, CNPJ e o endereço.

    Busque opinião de outros consumidores

    Outra boa prática antes de realizar as compras é consultar o site do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor – Procon, ou outros endereços eletrônicos que possuam registros de reclamações de clientes, como o Reclame Aqui, para se ter um parâmetro da reputação da empresa.

    — Quando vamos a algum centro comercial, sempre comparamos os produtos e as lojas. Nas compras online é da mesma forma: o consumidor deve avaliar, principalmente, a credibilidade da empresa — explica Emmanoel Monteiro.

    Desconfie de ofertas exageradas

    Segundo o especialista, um dos principais critérios técnicos de segurança no ambiente online é escolher uma loja virtual conhecida, ou indicada por alguém que já realizou alguma compra nela. As marcas que possuem um ambiente físico também garantem mais confiança.

    — Caso veja uma oferta com um grande desconto em um site não conhecido, já desconfie — frisa.

    > Em site especial, saiba tudo sobre o coronavírus

    Endereço seguro

    Para saber se o site é confiável, a internet também colabora, dispondo a exibição de uma conexão segura através do protocolo HTTPS. A identificação do protocolo é apresentada na barra de endereço na cor verde e ao lado do endereço eletrônico tem a imagem de um cadeado, explica Emmanoel.

    Forma de pagamento

    Na hora de efetivar a compra, prefira ainda os sites que possuem serviços de pagamento como o Paypal, Pagseguro, Mercado Pago, que apresentam maior segurança aos consumidores, à medida que dão garantias de cancelamento da transação, ou estorno do valor pago, aconselha Monteiro.

    Direitos do consumidor nas compras online

    Os direitos do consumidor no e-commerce aos poucos se tornam conhecidos, porém, algumas vezes, ainda são negligenciados pelas empresas. Um deles é a ‘garantia legal’ dos produtos comprados pela internet, previsto no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

    Segundo o advogado Evandro Minchoni, de acordo com o art. 26 do Código, o período de validade da ‘garantia legal’ é de 30 dias para produtos e serviços não duráveis, ou seja, aqueles usados por um curto prazo ou apenas algumas vezes – como comidas e flores.

    Já para produtos duráveis (eletrodoméstico, computador, celular, etc.), o período de validade da garantia é de 90 dias. Além de ser uma garantia obrigatória por lei, cobre todo tipo de avaria, imperfeição, problema ou defeito, sem nenhum custo ao consumidor.

    É comum também o desconhecimento sobre o “direito ao arrependimento”, previsto no art. 49 do CDC, em que o consumidor pode devolver o produto, sem necessidade de justificativa e sem ônus - no prazo mínimo de sete dias.

    — Nestes casos, não há necessidade de o produto ter vícios ou defeitos, simplesmente não correspondeu à expectativa. Inclusive, todos os gastos com frete para devolução e restituição cabem ao fornecedor — ressalta Minchoni.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas