nsc
    dc

    Trânsito

    Diminuição na carga horária para tirar CNH entra em vigor

    Mudança reduz quantidade mínima de aulas práticas de 25 para 20 horas

    16/09/2019 - 18h32 - Atualizada em: 16/09/2019 - 19h23

    Compartilhe

    Karollayne
    Por Karollayne Rosa
    Por Guilherme Simon
    Para Luiz Fernando Brinhosa, primeiro instrutor oficialmente habilitado de Santa Catarina, redução é negativa para formação de condutores
    (Foto: )

    Todos os motoristas que tirarem a carteira a partir desta segunda-feira (16) poderão fazer menos aulas práticas na autoescola. É o que prevê a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que reduziu a carga horária mínima de aula para a obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

    Antes, os centros de condutores tinham como obrigação ofertar 25 horas/aula e cinco dessas precisavam ser noturnas. Com a mudança, a obrigatoriedade mínima caiu para 20 horas/aula, com apenas uma hora à noite. O uso do simulador na capacitação também passou a ser facultativo, mudança que não impacta em SC, pois já não era algo obrigatório no Estado.

    Em 25 de julho, durante uma live feita em sua rede social, o presidente Jair Bolsonaro contestou a necessidade de aulas obrigatórias para obtenção do direito de dirigir.

    — Acho que nem devia ter exame de nada. Parte escrita apenas, e vai para a prática. Não tem que cursar autoescola, ter aula de um monte de coisa que já sabe o que vai acontecer. Então, deveria ter uma prova prática e uma prova escrita ali, teórica, seria o suficiente para tirar a carteira de habilitação — disse Bolsonaro na ocasião.

    Opiniões sobre as mudanças

    Luiz Fernando Brinhosa é detentor do registro 001 da Carteira de Instrutor de Trânsito. Ele foi o primeiro instrutor oficialmente habilitado de Santa Catarina e trabalhou como instrutor de autoescola durante 51 anos.

    Começou a dar aulas em 1968, quando o curso ainda não era obrigatório. Ainda dava aulas em 1998, quando foi instituída obrigatoriedade mínima de 15 horas de curso. Lecionou até 2011, quando já estava em vigor a quantidade mínima de 25 horas/aula.

    Para ele, que vivenciou diferentes fases da concessão de habilitação, a redução não é positiva, nem mesmo para os condutores. O aumento crescente no número de veículos na rua requer mais cuidados dos motoristas e, consequentemente, mais preparo na hora de pegar o volante, conforme ele opina.

    — Em todo o país o trânsito piorou. É só você ver a quantidade de veículos. O trânsito complicou muito e a tendência é complicar mais. Daqui a cinco anos vai ficar pior que hoje — afirma Brinhosa.

    Número de horas/aula é considerado insuficiente

    Em 2006, a frota catarinense era formada por 2,4 milhões de veículos, número que saltou para 5,1 milhões em 2018, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Até esta segunda-feira (16), o trânsito de Santa Catarina recebeu 74,8 mil novos condutores que tiraram a primeira habilitação neste período. Desses, 4,2 mil somente em Florianópolis.

    Para Marcos Brinhosa, que trabalha como gerente de auto-escola, as 25 horas/aula que eram obrigatórias para esses recém-motoristas já eram abaixo do ideal, menor do que em outros países, como Portugal. O que está em jogo quando mudança é o aprendizado, segundo ele.

    A gente acredita que 20 horas/aulas vai ser pouco. O aluno vai ter muita dificuldade e isso vai aumentar o índice de reprovação. É uma arma que está na mão de um jovem. Hoje os alunos já têm dificuldade na hora da prova, imagina com menos aula? — questiona Brinhosa.

    Ele afirma que tirar a CNH não é algo protocolar, como fazer o RG. A redução no valor, que está sendo cogitada, impactará também na redução da prestação de serviço.

    — Você está pegando uma habilitação. Se você não sai bem preparado da auto-escola, você pode matar uma família, pode se machucar e perder a vida. É disso que a gente tem que conscientizar as pessoas — finaliza.

    Sindicato aponta prejuízo na formação de condutores

    O presidente do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Estado de Santa Catarina (Sindemosc), César Stolf, também avalia que a mudança trará prejuízos para formação dos condutores.

    — Na minha visão, como profissional da área de trânsito, nada que diminua a quantidade de aulas no ensino da primeira habilitação pode ser visto com bons olhos. Hoje no Estado nós temos uma boa formação, mas ela deveria ser aprimorada, ampliando a formação, e não diminuindo — comenta.

    O Departamento Estadual de Trânsito do Estado de Santa Catarina (Detran/SC), procurado pela reportagem, informou que não se manifestaria sobre a diminuição na carga horária para a obtenção da CNH. Para o gerente de Habilitação de Condutores do órgão, Cristiano Sousa, essa é uma determinação federal e cabe ao Detran cumpri-la.

    Medida não vale para o RS

    As mudanças valem para todo o país, menos para o Rio Grande do Sul. No estado vizinho, uma liminar concedida pelo desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), suspendeu a resolução do Contran. A decisão foi tomada após ação do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores do Estado (SindCFC-RS).

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas