nsc

publicidade

Televisão

Do "Jornal Hoje" ao "Globo Repórter": relembre a carreira de Sérgio Chapelin na TV 

Apresentador deixa o comando do programa semanal nesta sexta-feira 

27/09/2019 - 18h50 - Atualizada em: 27/09/2019 - 18h52

Compartilhe

Por GaúchaZH
Chapelin começou a trabalhar na Globo em 1972
Chapelin começou a trabalhar na Globo em 1972
(Foto: )

"Hoje, no Globo Repórter". A inconfundível frase dita por Sérgio Chapelin tem um tom de despedida nesta sexta-feira (27), quando o jornalista deixa a atração semanal da Globo. A partir da próxima semana, o programa será comandado por Sandra Annenberg e Glória Maria.

— Estive na maior parte dessa história primorosa do Globo Repórter e isso me deixa muito feliz. Da primeira fase do programa, mais documental, passando pela fase em que éramos mais factuais, até o momento atual, quando falamos sobre todos os assuntos. Saio com a sensação de dever cumprido — diz Chapelin.

Na edição de despedida, o Globo Repórter falará sobre animais africanos, mostrando a história de elefantes, leões e macacos pelas savanas do continente. Nos últimos dias, um teaser anunciou o momento histórico para o jornalista:

História

Nascido no dia 12 de maio de 1941, Sérgio Vieira Chapelin iniciou sua carreira no rádio e, aos 18 anos, mudou-se de Valença, interior do Rio de Janeiro, para a capital fluminense. Entre 1962 e 1964, apresentou noticiários na Rádio Nacional e na Rádio Jornal do Brasil. Nos anos seguintes, continuou trabalhando com locução.

Sua história na TV começou em 1972, quando foi contratado pela Globo. Sua primeira apresentação foi no Jornal Hoje e, no mesmo ano, foi deslocado para fazer parceria com Cid Moreira no Jornal Nacional.

Dividindo-se com o JN, ele ingressou na equipe do Globo Repórter em 1973, permanecendo no posto até 1983. Ao Memória Globo, Chapelin revelou que um dos momentos mais emblemáticos dentro da atração semanal foi a gravação do episódio piloto calçando sandálias, pois era verão.

— Era normal irmos assim nos períodos de calor. Levávamos um paletozinho, porque não tinha maquiagem, não tinha guarda-roupa, não tinha nada. Como, para fazer o Jornal Nacional, eu vinha daquele jeito, fui assim gravar o programa teste para o Globo Repórter. Cheguei e tinha um cenário, com poltrona, sentei lá. Só vesti paletó e gravata. Lembro que recebi um bilhete bem humorado, mas dizendo assim: "Chapelin, amanhã vamos gravar de novo, mas vem de sapato, meia, calça, cueca, camisa, gravata".

Chapelin em um dos primeiros "Globo Repórter"
Chapelin em um dos primeiros "Globo Repórter"
(Foto: )

Além do Globo Repórter e do Jornal Nacional, Chapelin também foi o apresentador da estreia do Fantástico, em 1973, sempre fazendo participações eventuais. Entre 1974 e 1982, alternou-se entre ancoragens do Jornal da Noite, o Jornal Internacional e Jornal Amanhã. Em 1983, ele deixou a emissora por um ano, indo para o SBT.

De volta à Globo, reassumiu a apresentação do Fantástico. Segundo ele, uma das notícias mais marcantes neste retorno foi o anúncio da morte de Tancredo Neves, em 1975:

— Eu entrei no cenário do Jornal Nacional especial preparado para a morte do Tancredo. Entrei lá com a roupa que estava no Fantástico. No primeiro intervalo que deu, troquei a gravata escura, porque eu estava com uma muito alegre. Chegou a Leda Nagle e ficamos os dois apresentando: entraram pessoas sendo entrevistadas, peguei aquele texto imenso contanto toda a história política do Tancredo — contou ao Memória Globo.

Em 1986, ele se dividiu mais uma vez entre o Fantástico e o Globo Repórter. Três anos depois, voltou ao Jornal Nacional em mais uma parceria com Cid Moreira - por mais 10 anos.

Definindo o Globo Repórter como um "um programa de aventura, sempre tratando de assuntos que despertam certa curiosidade do telespectador, com linguagem de televisão", Chapelin reassumiu o comando do programa em 1996. Depois de 23 anos, ele se despede da atração nesta sexta-feira (27), após ter decidido se aposentar.

Chapelin com Glória Maria, em 2016
Chapelin com Glória Maria, em 2016
(Foto: )

Entre os momentos marcantes das últimas duas décadas, um em 2005 foi especial: Chapelin deixou os estúdios do Globo Repórter pela primeira vez. Naquele programa, ele visitou os bastidores do Sítio do Picapau Amarelo nos Estúdios Globo. Cinco anos depois, a atração ganhou a entrada de Glória Maria, que passou a ser responsável pelas reportagens e algumas apresentações.

No ano passado, quando o Globo Repórter completou 45 anos, Chapelin disse que "o programa começou com uma equipe de cinema" (de nomes como Paulo Gil Soares, Eduardo Coutinho, Washington Novaes, Luiz Lobo e Luiz Carlos Maciel) e depois ganhou uma cara mais "documental":

— Temos o compromisso de ser um programa de informação, entretenimento, cultura. Foi nessa linha que o Globo Repórter ganhou fôlego. Todo mundo quer ver. Todo mundo gosta.

Leia também

Sandra Annenberg chora em sua despedida do Jornal Hoje

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

publicidade