nsc
santa

Justiça

Dono de creche vira réu em caso sobre série de estupros de crianças em Itapema

A Polícia Civil recebeu 22 denúncias contra o homem

24/06/2021 - 18h34

Compartilhe

Talita
Por Talita Catie
As crianças receberam acolhimento de uma força-tarefa de policiais psicólogos
As crianças receberam acolhimento de uma força-tarefa de policiais psicólogos
(Foto: )

O dono de uma creche particular de Itapema, no Litoral Norte de Santa Catarina, virou réu no caso que apura relatos de abuso sexual de crianças. O Ministério Público denunciou o homem pelo crime de estupro de vulnerável e a Justiça acatou. As vítimas eram alunos atendidos na unidade em que ele era sócio. Ao todo, 22 boletins de ocorrência foram registrados contra ele na Polícia Civil.

> Receba notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp

O homem, de 25 anos, está preso desde o dia 28 de maio, quando se entregou à polícia após mais de uma semana foragido. Em depoimento ao delegado Adan Claus, o empresário e professor negou o crime. Porém, as investigações apontam que ele tenha praticado atos libidinosos com crianças entre quatro e seis anos de idade. Os exames não apontaram conjunção carnal, mas isso não desqualifica o crime.

O caso tramita em segredo de Justiça por tratar de violência sexual contra menores. Entretanto, no início deste mês, a polícia informou que seis crianças prestariam depoimento especial no Fórum para relatar como os abusos ocorriam. Na fase de denúncias, uma força-tarefa de policiais psicológos chegou a ser montada para oferecer acolhimento aos pequenos e familiares. 

Os relatos de violência sexual dentro da creche surgiram no início de maio e logo o número de denúncias se multiplicou. Todos os relatos colhidos são de crianças que estavam atualmente matriculadas. Os pais fizeram manifestação em frente à unidade pedindo justiça. A creche está fechada desde o dia 17 do mês passado.

Contraponto

As autoridades não souberam informar quem é o advogado de defesa do homem. A reportagem também tentou contato atráves de um telefone celular ligado à creche, mas as chamadas caíram na caixa de mensagens.

Colunistas