Tremores de terra causaram preocupação dos moradores de municípios da Serra do Rio Grande do Sul, na madrugada de segunda-feira (13). Apesar de não se descartar a possibilidade dos tremores terem sido causado pelas chuvas, segundo o especialista Bruno Collaço, do Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (USP), a região é propensa à ocorrência de terremotos. As informações são do g1.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Os abalos sísmicos foram registrados em Bento Gonçalves, Caxias do Sul e Pinto Bandeira, com impactos que variaram de 2,3 a 2,4 na Escala Richter. Eles são considerados tremores de baixa magnitude, e a Defesa Civil acredita que não há riscos à população.

Com a terra molhada, existe a suspeita de que a chuva teria causado o abalo. A hipótese não é descartada pelo especialista, considerando que não há muitas estações de medição naquela região.

— Provar isso também é muito complicado. Carece de muitas estações espalhadas na região, muitas estações sísmicas, sismômetros, e bastante tempo de estudo. Apesar disso, é pouco provável que eles tenham relação com a chuva, mas a gente não pode descartar isso — afirma Collaço.

Continua depois da publicidade

O especialista também diz que o local é suscetível a tremores de terra.

— A região da Serra Gaúcha registrou 27 tremores nos últimos 10 anos, ou seja, desde 2014. Então essa é uma região propícia à ocorrência desses tremores, e é muito provável que os terremotos desta madrugada sejam naturais — explica Collaço.

O professor do Observatório Sismológico da UnB, Lucas Vieira Barros, reforça que o Estado está predisposto a apresentar fenômenos como esse e menciona que em 2022, 2020, 2018 e 2015 houve situações semelhantes em Caxias do Sul. Ele explica que, se está havendo sismos, é porque há falhas geológicas ativas se movendo ao longo dos anos.

— Então naquela região existe uma falha, uma região, uma área sismogênica com potencial de sismo. A ação da água pode ser que tenha apressado um sismo que iria acontecer daqui alguns anos. É possível isso? Sim, é possível — diz Barros.

Bruno Collaço também afirma que não há como saber se os terremotos irão diminuir após as chuvas no Rio Grande do Sul, já que fenômenos desse tipo são imprevisíveis.

Continua depois da publicidade

O que causa os tremores de terra

O Brasil tem registro de abalos sísmicos em diferentes regiões, ainda que em grau de menor intensidade, de acordo com Collaço. Ele afirma que o fenômeno, assim como em todo o mundo, ocorre devido a grandes pressões ao longo da crosta terrestre, que rompem blocos de rocha.

— Os blocos de rocha se movimentam ao longo de uma falha geológica, e no momento dessa ruptura, uma grande liberação de energia e ondas sísmicas são espalhadas por todas as direções. O que as pessoas sentem é a passagem dessa onda sísmica — diz.

Ruas desmoronando

Já em relação às aberturas no asfalto que ocorrem em ruas e rodovias do Estado, a exemplo de Gramado, Collaço afirma que é mais provável uma associação com as chuvas.

Os temporais e cheias que atingem o Rio Grande do Sul desde o fim de abril provocaram a maior tragédia climática da história do Estado, que afetou mais de 2,1 milhões de pessoas, deixando 148 mortos e 124 desaparecidos até esta terça-feira (14).

Continua depois da publicidade

*Sob supervisão de Andréa da Luz

Leia também

Tremor de terra assusta moradores de pelo menos quatro bairros de cidade do RS

Cidades de SC próximas ao RS registram volumes de chuva superior a 200 milímetros em 48 horas

Destaques do NSC Total