O Enterro da Tristeza comemorou os seus 60 anos nesta quinta (8) mostrando por que é uma das festas mais longevas do Carnaval de Florianópolis. Sob um calor que chegou a 31°C, uma multidão se reuniu no Centro da Capital para acompanhar o evento do Bloco SOS. O público foi de 20 mil pessoas, segundo a Polícia Militar.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

— Minha amiga tá precisando enterrar a tristeza, então eu quis vir nesse bloco junto com ela — explica a foliã Graciele Martins, de 25 anos, citando um dos motes do evento.

A concentração começou às 14h, na esquina das avenidas Hercílio Luz e Mauro Ramos, ao som das bandas A Voz do Samba e do cantor Vivinho. Por volta das 20h, o bloco saiu em direção à Praça Fernando Machado, acompanhado pela tradicional Banda do Zé Pereira do Ribeirão da Ilha.

À frente do bloco, estava o famoso carro alegórico em formato de caixão, sobre os quais estavam os protagonistas do Enterro da Tristeza: o Defunto, a Viúva, a Morte e o Padre. Pela festa, eles andavam como celebridades, posando para uma foto atrás da outra.

Continua depois da publicidade

— O Enterro da Tristeza começou lá atrás, em 1964, numa quinta-feira. Aproximadamente 10 pessoas fizeram um caixão de papelão, botaram um boneco dentro e saíram batendo lata pelo centro da cidade para criar um dia a mais de folia. Essa alegria contagiou e hoje é uma satisfação estar aqui — diz o José Jacques, diretor do Bloco SOS, que realiza o Enterro desde 1995.

Público diverso

O público era diverso. Na multidão estavam jovens e idosos, homens e mulheres, casais e grupos de amigos. Alguns vieram de outros Estados para prestigiar o Enterro da Tristeza:

— O dia está maravilhoso e eu estou amando. Sou do Paraná e vim só pra curtir o Carnaval na melhor cidade do país: Florianópolis — diz Ana Julia, de 19 anos, que foi ao Carnaval com uma fantasia de coelho.

Continua depois da publicidade

Outros são velhos conhecidos do bloco. O manezinho Pedro Leal, de 70 anos, por exemplo, vem “enterrar suas tristezas” há 10 anos.

— Gosto de vir porque é tranquilo, é bom para se divertir, tomar cerveja e ver os amigos — diz ele. — O calor nem senti porque fiquei em baixo da sombra — brinca.

Leia também

Como fica o trânsito em Florianópolis durante o Carnaval 2024

Conheça as mulheres que são protagonistas no território do samba em cidades de SC

Berbigão do Boca arrasta multidão na abertura do Carnaval de Florianópolis

Destaques do NSC Total