nsc
dc

Paraná

Entrada da PF vira palco de protestos em dia de depoimento de Moro em Curitiba

Moro entrou no local pelos fundos, frustrando a expectativa de manifestantes. Depoimento é sobre acusações contra Bolsonaro

02/05/2020 - 13h40 - Atualizada em: 02/05/2020 - 14h05

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Apoiadores de Bolsonaro em frente à PF em Curitiba
Apoiadores de Bolsonaro em frente à PF em Curitiba
(Foto: )

A entrada do prédio da Polícia Federal, em Curitiba, onde o ex-ministro Sergio Moro deve depor neste sábado (2), virou palco de protestos em apoio ao ex-juiz da Lava Jato e de militantes do presidente Jair Bolsonaro.

Moro chegou ao prédio da PF por volta das 13h15min, mas entrou pelos fundos, frustrando a expectativa dos manifestantes. A chegada inflamou ainda mais os ânimos dos militantes, que na maioria gritou palavras de ordem contra o ex-ministro. Ele irá falar sobre as acusações contra o presidente no dia em que pediu demissão do governo.

Desde a manhã, com alguns momentos de tensão entre os dois grupos e ataques contra a imprensa, cerca de 50 manifestantes se aglomeram no local, que também já abrigou a vigília em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), enquanto ele estava preso.

De um carro de som, os militantes pró-governo, mais numerosos, cantaram o hino nacional e gritavam palavras de ordem contra Moro, chamado na maior parte do tempo de traidor.

— Não fomos nós, foi você que sujou sua biografia — discursou Marisa Lobo, uma das manifestantes.

Abordados pela reportagem da Folha, eles não quiseram dar entrevistas. Há idosos e crianças entre os militantes, que na maioria carrega bandeiras do Brasil e usa camisetas pró-Bolsonaro. Alguns estão sem máscara, equipamento de proteção obrigatório no Paraná para conter o novo coronavírus.

De outro lado, apoiadores da Operação Lava-Jato tentam contrapor o discurso majoritário.

— Vendiam camisetas do Moro, sobreviviam com a Lava Jato. E foram capazes de ir pra rua queimar a camiseta. Não têm mais moral essas pessoas — criticou a empresária Simone de Araújo. Menos de dez pessoas integram o grupo que usa camisetas e carrega faixas a favor da Lava Jato.

Simone conta que já fez parte do Acampamento Lava Jato, grupo que agora mudou de nome para apoiar Bolsonaro.

— Infelizmente a gente caiu na armadilha de novo. Se não fosse Moro, Bolsonaro não estaria na Presidência, o Lula estaria. Isso os bolsonarianos não reconhecem — diz a empresária.

Até mesmo um apoiador de Lula queria acompanhar a chegada de Moro à PF.

— É a oportunidade de ver ele depor e prestar esclarecimentos ao país, não só em relação a esse episódio da saída do ministério. A divulgação o áudio da presidente Dilma com o Lula foi o estopim de tudo que a gente tá vivendo — afirma Álvaro Faria, servidor público do estado.

Com uma camiseta com o rosto de ex-presidente, ele foi hostilizado pelos demais manifestantes e acabou deixando o local.

A imprensa também foi atacada. Um dos manifestantes empurrou a câmera do cinegrafista da RIC, afiliada da rede a Record no Paraná, e iniciou uma confusão. Com um bandeira do Brasil, ele gritava palavras de ordem contra a Rede Globo. Ele foi contido por policiais e deixou o local.

Depois do episódio, a polícia resolveu separar o espaço em frente ao prédio da PF. De um lado, estão os apoiadores de Moro. De outro, de Bolsonaro. O espaço central ficou com a imprensa.

Leia mais:

Moro divulga mensagens sobre tentativa de influência de Bolsonaro e vaga no Supremo

"Seria um sonho tê-lo na composição do governo catarinense", diz Moisés sobre Moro

Presidente Jair Bolsonaro aposta na guerra de narrativas para encarar Sérgio Moro

O vírus está nas roupas, sapatos, cabelo ou jornal? Saiba a resposta

Colunistas