nsc
dc

Comércio exterior

Entrada do Brasil na OCDE não vai sair barato, diz secretário do Planejamento

Renato Coelho Baumann das Neves afirma que além da contribuição anual e outros custos, técnicos do país precisam se preparar

29/08/2017 - 12h01 - Atualizada em: 29/08/2017 - 13h25

Compartilhe

Por Estadão Conteúdo

O secretário-adjunto de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Renato Coelho Baumann das Neves, disse nesta terça-feira (29), durante workshop que trata sobre a solicitação brasileira para fazer parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que o ingresso do Brasil na entidade não terá custo zero e esse preço precisa ser salientado.

— Não é nada barato participar desse clube. Além da contribuição anual, regular, o custo em termos de participação ativa na infinidade de reuniões que a OCDE faz, tudo isso tem um custo — afirmou, destacando que os técnicos brasileiros precisam se preparar para fazer parte do grupo.

Leia mais:

OCDE avalia Brasil para que país integre grupo de frutas da organização

OCDE: Brasil 'tem muito a avançar' em questões tributárias para ser admitido

OCDE decidirá sobre pedido de adesão do Brasil e mais 5 países em setembro

— Temos que nos preparar e saber o que se quer. E isso é custo, todos vamos ter que alocar horas de trabalho. Não é custo zero — salientou.

Baumann disse, ainda, que é preciso ficar "alerta" para o "risco de exigências exorbitantes como preço para adesão".

— Mas esse é um processo negociado — ponderou.

O pedido de adesão foi feito pelo governo brasileiro no fim de maio, mas até que o país seja aceito pode haver um intervalo de anos.

Além de Baumann, participam do seminário que acontece no anexo do Palácio do Planalto e foi organizado pela Casa Civil, representantes do ministério da Fazenda, do Banco Central e da Casa Civil.

O diretor do Centro de Política e Administração Fiscal da OCDE, Pascal Saint-Amans, também está presente. O workshop tem como objetivo discutir os Desafios e Oportunidade da Adesão do Brasil à OCDE.

Na segunda-feira, no Rio, Saint-Amans disse que o Brasil "tem muito para avançar" até que seja admitido na OCDE.

— O Brasil ainda tem muito para avançar em termos de padronização tributária internacional — afirmou, ao participar do 71.º Congresso Anual da International Fiscal Association (IFA).

Se a organização responder que está disposta a examinar a possível adesão brasileira, será estabelecido um cronograma de negociações. O objetivo é que, entre outros pontos, o país alcance um regime tributário considerado adequado aos padrões internacionais e à OCDE.

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Cotidiano

Colunistas