nsc
an

Torneio internacional

Estudantes de Joinville vão participar da maior competição de foguetes do mundo

Alunos do curso de engenharia espacial da UFSC irão competir nos Estados Unidos

19/05/2022 - 09h00 - Atualizada em: 19/05/2022 - 10h31

Compartilhe

Marcelo
Por Marcelo Henrique
Estudantes de engenharia aeroespacial
Equipe da Kosmos Rocketry, que vai concorrer na competição internacional
(Foto: )

Os estudantes do curso de engenharia espacial da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) vivem a expectativa de participar da maior competição de foguetes do mundo. Os alunos do Campus de Joinville irão concorrer na Spaceport America Cup (SAC) entre 21 e 25 de junho nos Estados Unidos. Ao todo, 16 países diferentes irão participar.

> Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

Os projetos serão apresentados a um grupo de jurados e participarão de uma prova de prática de voo, na qual o objetivo é o alcance certeiro de um alvo ou apogeu – altitude máxima alcançada. Nos EUA, os jovens pretendem lançar o VLK-1 (Veículo Lançador Kosmos), que irá disputar a categoria de 3 km, que corresponde a protótipos que atingem 10 mil pés – de motor a propulsão sólida.

Os estudantes formam a Kosmos Rocketry, equipe de competição de foguetes do Centro Tecnológico de Joinville (CTJ). O grupo é um dos quatro times brasileiros selecionados para participar da competição. João Pedro Sandrin Golynski, de 22 anos, é o capitão da equipe e espera provar no torneio a eficiência da tecnologia que desenvolveram.

- A expectativa agora é grande, muita ansiedade e felicidade de terminar o projeto a tempo. De estar com tudo pronto, tudo organizado com a logística, para poder descansar e respirar - comenta.

Foguete
Foguete VLK-1 será lançado na Spaceport America Cup
(Foto: )

Trabalho otimizado

Segundo João, a construção do VLK-1 foi dividida em etapas. Primeiro é preciso conhecer o projeto teórico para saber qual é a missão do produto, a partir disso são desenvolvidos outros subsistemas. Eles facilitam a montagem do foguete, pois o trabalho investido em subsistemas de menor escala descarta a construção de um foguete do zero. O estudante afirma que esse método já foi utilizado para a produção de outros projetos.

- Por conta disso, o projeto não foi tão maçante, nem difícil. Claro que tem outras variáveis por ser um foguete maior, mas como fica na mesma estratégia. A gente conseguiu obter grandes resultados em um tempo bem menor - explica.

Últimos ajustes antes da competição

João alega que todo cuidado é pouco com a estrutura do VLK-1, pois alguma peça pode bater ou quebrar durante a viagem para os EUA. Além disso, é necessário fazer todos os testes eletrônicos possíveis para verificar a eficiência do foguete.

- Precisamos ver se está tudo funcionando, se está tudo soldado, se todos os fios estão conectados, se os dados que estão sendo emitidos e recebidos são corretos e coerentes - afirma.

*Sob supervisão de Lucas Paraizo

Leia também:

Preço do gás de cozinha chega a R$ 150 em Joinville; veja onde comprar mais barato

ExpoGestão volta ao formato presencial em Joinville com foco nas relações pessoais

Joinville vai retomar pediatria na UPA Sul após reclamações e demora no atendimento

Colunistas