Um estudo da Universidade de Londres (UCL) revela um detalhe importante sobre como a gravidade e a radiação do espaço podem alterar o corpo humano. A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications e mostra que períodos longos no espaço podem aumentar a chance de formações de pedras nos rins de astronautas. Ratos expostos a condições semelhantes às do espaço chegaram a perder a função dos rins.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Conforme a universidade, algumas consequências das viagens espaciais já são conhecidas desde o primeiro pouso do homem na Lua, em 1969. Elas incluem perda da massa dos ossos, enfraquecimento do coração e da visão, e o desenvolvimento de pedras nos rins.

Este último, antes, era associado à perda de massa dos ossos. Agora, no entanto, pesquisadores descobriram que isso acontece por uma “remodelação” dos rins, tanto de seres humanos quanto dos animais submetidos a testes. Vasos específicos dos rins sofrem um encolhimento que altera o processamento de sais, colaborando na formação de pedras.

Ratos expostos à radiação equivalente a uma viagem de três anos de ida e volta a Marte sofreram perdas permanentes das funções renais.

Continua depois da publicidade

O estudo é conduzido por Keith Siew e Stephen B. Walsh, que atuam no London Tubular Centre, do Departamento de Medicina Renal da UCL.

Leia também

Satélite desenvolvido em Santa Catarina será lançado ao espaço

Cientistas acham vulcão gigante em Marte que passou despercebido por mais de 50 anos

Destaques do NSC Total