Estabelecer um tempo para as crianças assistirem à televisão pode ser uma das formas de ajudá-las a preservar a saúde para o futuro. Isso é o que indica um estudo da Universidade de Otago (Nova Zelândia), que trouxe novos dados reforçando a associação do excesso de telas com problemas de saúde na fase adulta.

Continua depois da publicidade

Clique aqui e receba notícias no WhatsApp

“Estamos falando da síndrome metabólica, um conjunto de condições, incluindo pressão alta, açúcar elevado no sangue, excesso de gordura corporal e níveis anormais de colesterol. O estudo mostra que crianças que assistiram a mais de duas horas de TV por dia tendem a ter essas condições, que levam a um risco aumentado de doenças cardíacas, diabetes e derrame”, destaca a endocrinologista Deborah Beranger.

Relação das telas com a síndrome metabólica

 A pesquisa foi publicada na revista Pediatrics e usou dados de 879 participantes do estudo de Dunedin. “Os pesquisadores descobriram que aqueles que assistiram mais televisão entre as idades de 5 e 15 anos eram mais propensos a ter essas condições aos 45 anos, mostrando que há riscos a longo prazo quando as crianças adquirem o comportamento sedentário”, explica a médica.

Continua depois da publicidade

O tempo de visualização da televisão foi perguntado aos 5, 7, 9, 11, 13 e 15 anos. Em média, eles assistiram a pouco mais de duas horas por dia da semana. “Aqueles que assistiram mais, tiveram um risco maior de síndrome metabólica na idade adulta. Mais tempo assistindo à televisão na infância também foi associado a um maior risco de sobrepeso e obesidade e à menor aptidão física”, diz Deborah Beranger.

Consequências de assistir à televisão em excesso

Segundo a endocrinologista, assistir à TV está ligado ao baixo gasto de energia, à redução da qualidade do sono e da prática de atividades físicas. “Na infância, aprendemos muitos dos nossos hábitos e, no futuro, temos dificuldades para mudar. Assistir à televisão não é o problema em si, mas sim o sedentarismo. Criança que não se acostuma a gastar energia e comer bem tem maior probabilidade de, no futuro, ter maus hábitos de vida”, explica a profissional.

Além disso, Deborah Beranger diz que o tempo de tela pode favorecer a ingestão de alimentos em excesso, com as crianças consumindo mais bebidas açucaradas e produtos dietéticos ricos em gordura com menos frutas e vegetais. “Embora a televisão possa ser desligada na vida adulta, esses hábitos podem persistir”, diz a médica.

Continua depois da publicidade

Conheça as causas da queda de cabelos em crianças

Menina deitada em um tapete branco assistindo à televisão
Meninas estão mais propensas a terem problemas com o excesso de telas (Imagem: Andrey_Popov | Shutterstock)

Incidência da doença de acordo com o sexo

De forma geral, os meninos assistiam um pouco mais à televisão do que as meninas, e a síndrome metabólica é mais comum nos homens do que nas mulheres (34% e 20%, respectivamente). A ligação entre o tempo de televisão na infância e a síndrome metabólica adulta foi observada em ambos os sexos e pode até ser mais forte em mulheres.

Outros resultados da pesquisa

Houve pouca evidência de que assistir menos à televisão quando adulto reduzia a associação entre assistir à televisão na infância e a saúde do adulto. Como qualquer estudo observacional, os pesquisadores não puderam provar que a associação entre assistir à televisão em uma idade jovem causa diretamente a síndrome metabólica do adulto, existem vários mecanismos plausíveis pelos quais tempos mais longos de exibição de televisão podem levar a problemas de saúde a longo prazo.

Dores nas costas: entenda as causas e saiba como prevenir

Importância do estudo para o futuro

Os resultados desse tipo de estudo são importantes porque os tempos de tela aumentaram nos últimos anos com as novas tecnologias. “As crianças hoje têm muito mais acesso ao entretenimento baseado em tela e passam muito mais tempo sendo sedentárias. É provável que isso tenha efeitos ainda mais prejudiciais para a saúde dos adultos. Essas descobertas dão suporte à recomendação da Organização Mundial da Saúde de que crianças e adolescentes devem limitar seu tempo de tela recreativo”, finaliza Deborah Beranger.

Continua depois da publicidade

*Por Pedro Del Claro

Leia também

Saiba como prevenir a obesidade infantil

7 formas de proteger as crianças de doenças de inverno na escola

Saiba por que diferenciar os filhos é importante para fortalecer as relações

Destaques do NSC Total