nsc
    dc

    fraudes na Eletronuclear

    Ex-ministro, ex-deputado e empresários são alvos em nova fase da Lava-Jato

    Silas Rondeau, ministro de Minas e Energia no governo Lula, é um dos alvos

    25/06/2020 - 09h56 - Atualizada em: 25/06/2020 - 10h07

    Compartilhe

    Folhapress
    Por Folhapress
    aa
    Polícia Federal cumpre 12 mandados de prisão temporária e 17 de busca e apreensão
    (Foto: )

    A Polícia Federal cumpre 12 mandados de prisão temporária e 17 de busca e apreensão em uma operação na manhã desta quinta-feira (25) com base em uma investigação que apura fraudes na Eletronuclear.

    Silas Rondeau, ministro de Minas e Energia no governo Lula, é um dos alvos. À época do governo petista, Rondeau estava no cargo dentro da cota do então PMDB, sob indicação ao cargo por José Sarney (AP) e Renan Calheiros (AL).

    Além do ex-ministro, o ex-deputado federal Anibal Ferreira Gomes (DEM-CE), empresários e ex-executivos da estatal são investigados na operação Fiat Lux, que é um desdobramento da Lava-Jato ocorre nos estados do Rio de Janeiro (capital, Niterói e Petrópolis), São Paulo e no Distrito Federal.

    Segundo MPF (Ministério Público Federal), foi pedido também o sequestro dos bens dos envolvidos e de suas empresas pelos danos materiais e morais causados no valor de R$ 207.878.147,18.

    A investigação gira em torno da análise de contratos fraudulentos e pagamento de propina na Eletronuclear. A base para esta etapa, segundo nota da PF, foi a colaboração premiada de dois lobistas ligados ao MDB, que foram presos em 2017.

    Em nota, o MPF diz que a colaboração premiada "elucidou o pagamento de vantagens indevidas" em pelo menos seis contratos firmados pela Eletronuclear. "Os recursos eram desviados por meio de subcontratação fictícia de empresas de serviços e offshores, que por sua vez distribuíam os valores entre os investigados", diz a nota.

    Ainda segundo o MPF, a exigência de propina teve início quando Othon Pinheiro "chegou à presidência da estatal como contrapartida à celebração de novos contratos e ao pagamento de valores em aberto de contratos que se encontravam em vigor'.

    O MPF informou que solicitou a cooperação internacional, pois parte do esquema operou com empresas sediadas no Canadá, na França e na Dinamarca.​

    Operação Radioatividade

    Operações anteriores envolvendo investigações sobre irregularidades na Eletronuclear geraram, em 2019, a prisão preventiva do ex-presidente Michel Temer.

    Posteriormente, ele foi denunciado por corrupção, lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro ou recursos públicos em benefício próprio).

    Segundo a PF, a fase de hoje não abrange alvos das operações Radioatividade, Irmandade, Prypiat e Descontaminação, todas relacionadas a investigações na Eletronuclear. A primeira operação relativa ao caso ocorreu em julho de 2015 e ganhou o nome de Radioatividade. Ela investigava desvios nas obras da usina nuclear de Angra 3.

    Colunistas