Uma fábrica de churros, montada dentro do baú de um caminhão, foi descoberta e interditada na Praia Alegre, em Penha. O veículo estava estacionado em meio à vegetação, em uma Área de Preservação Permanente. Além da completa falta de higiene, os donos furtavam energia elétrica através de um “gato” no poste. O alimento era vendido em várias praias de Balneário Piçarras, Penha e Barra Velha.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Itajaí e região por WhatsApp

A equipe da Secretaria de Segurança Pública de Balneário Piçarras vinha fazendo fiscalizações nas praias e identificou ao menos 12 vendedores ambulantes que comercializavam churros. Sem nenhum tipo de autorização, os trabalhadores circulavam livremente. Foi quando os servidores decidiram apurar a “fonte”, de onde vinham os doces. Ao descobrir a “fábrica” do outro lado do Rio Piçarras, já em Penha, o secretário da pasta, Paulo Debatin, entrou em contato com a prefeitura vizinha na semana passada.

A ação entre Vigilância Sanitária e Fiscalização ocorreu na manhã desta quarta-feira (27). O caminhão ficava estacionado na restinga da Lagoa do Quinca Ludo, na Praia Alegre. Segundo o secretário, uma família de quatro pessoas lideravam o negócio. Eles dormiam dentro do baú, no mesmo local onde os churros eram feitos (veja fotos abaixo).

Veja fotos da operação

Continua depois da publicidade

Do lado de fora, um acampamento abrigava alguns vendedores, que circulavam por Penha e Piçarras. A família chegava a recrutar moradores em situação de rua para fazer as vendas, revela Paulo. Eles estavam no local há pelo menos um ano. Durante esse tempo, jogavam o lixo produzido na mata, furtavam energia elétrica dos postes, lavavam a louça no rio e cozinhavam no sol, sem estrutura adequada ou alvará sanitário.

Os proprietários da “fábrica” foram orientados a retirar o caminhão do local. O gato de energia elétrica foi removido e os alimentos apreendidos. Paulo conta que nesta tarde fará um boletim de ocorrência para que a Polícia Civil investigue o caso. Além do risco aos consumidores, a família pode responder pelo furto de energia e pelo crime ambiental. Ninguém foi preso.

Leia mais

VÍDEO: Turista reage a assalto em Balneário Camboriú e “corre” com bandidos

Destaques do NSC Total