nsc

publicidade

Xanxerê

Família catarinense luta contra doença grave da filha de seis meses

Os pais buscam tratamento para a criança há pelo menos cinco meses

01/08/2019 - 09h37 - Atualizada em: 01/08/2019 - 09h39

Compartilhe

Por Redação NSC

Camilly, um bebê de seis meses que nasceu com uma doença grave no coração e Síndrome de Down, desde os seus 15 dias de vida faz consultas semanais no cardiologista. Desde que veio ao mundo já enfrentou pneumonia, duas paradas cardíacas, três infecções, paralisia nos rins e colapso parcial dos pulmões.

Logo que nasceu, foi descoberto que o coração da criança era fraco e como ela tinha que se esforçar muito para respirar, acabava não ganhando peso e, por isso, necessitava um procedimento cirúrgico.

Há pelo menos cinco meses os pais buscam uma cirurgia, já que o tratamento no cardiologista não é na cidade deles, em Xanxerê e, sim, no Oeste do Estado, em Chapecó. São 46 Km de distância.

A mãe da criança, Vanessa Teles Ofrásio, conta que a filha já é conhecida como guerreira:

— Ela sempre lutou, ela chegou aqui entre a vida e a morte.

A saga pela sobrevivência

Tudo começou com uma pneumonia e Camilly não conseguiu mais respirar direito. A partir deste momento Vanessa começou a luta com a filha: de Xanxerê, no Oeste, rodaram mais de 500 km até Florianópolis. Somente na capital de SC havia leito de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) que a Camily precisava. Porém, o hospital não faz a cirurgia necessária. Entrando na fila de cirurgia, a espera começou.

Há 39 dias a rotina da mãe da menina é: dormir em casa de apoio, caminhar todas as manhãs para o hospital, onde acompanha a filha e faz a maior parte das refeições. Com este ritmo de vida, a mulher largou o emprego e conta com a ajuda financeira da mãe e do marido.

Há esperança

De acordo com a família, na próxima segunda-feira, 5 de agosto, há possibilidade de uma vaga em Joinville, no Hospital Infantil Jeser Amarante Faria, que faz a cirurgia. Até lá, a bebê não pode ter outra infecção e tem que estar saudável para a transferência de Florianópolis para o Norte Catarinense.

— É angustiante, a gente chora, a gente pede força pra Deus pra continuar na luta porque quem precisa é ela, mas é angustiante — relata a mãe.

Secretaria da Saúde

Por meio de nota, a secretaria estadual da Saúde informou que Camilly está recebendo todo o atendimento médico necessário. Disse, ainda, que a transferência dela para o hospital de Joinville está sendo providenciada, mas não informou quando isso irá acontecer.

As informações são da NSC TV.

Deixe seu comentário:

publicidade