O novo modelo de merendas nas escolas municipais de Joinville foi tema de debate na comissão de Educação da Câmara de Vereadores na tarde desta terça-feira (10). Tópicos como filas nos refeitórios, leitor de QR Code e repetição das refeições foram o foco das falas, que contou com participação de sindicato, pais e instituições ligadas à educação.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

De acordo com o presidente da comissão, o vereador Brandel Junior (Podemos), a atividade aconteceu para o secretário de Educação, Diego Calegari, explicar dúvidas da população e dos legisladores sobre o tema. Ele diz que recebeu diversas reclamações de pais e responsáveis envolvendo a alimentação escolar, principalmente nas regiões de periferia. 

— Ao meu ver, esse controle deveria ser por prato, não por QR Code. Seria uma facilidade [para evitar filas] para os alunos e aos colégios. Em unidades educacionais maiores, entendemos que o intervalo deveria ser estendido por mais cinco ou dez minutos, por exemplo — comenta. 

Limite de merenda para estudantes de escolas municipais gera polêmica em Joinville

Continua depois da publicidade

Carolina Ribeiro Retzlaff, mãe de dois estudantes de uma escola do bairro São Marcos, afirma que o maior problema está sendo as longas filas causadas pelos leitores de QR Code, que geram tumultos e faz com que diversos alunos não tenham tempo para comer.

— 15 minutos é pouco tempo para se alimentar. Quando senta para comer, bate o sinal. Crianças carentes ficam sem. Não penso só nos meus filhos, que chegam em casa e tem comida. Mas e as carentes, que só tem aquele prato pra comer? Como mãe, isso dói — desabafa. 

O que diz a carta da prefeitura de Joinville enviada para os pais sobre limite de merenda

Calegari diz que as filas já diminuíram e que no modelo anterior o problema já existia. Agora, de acordo com ele, a prefeitura busca aprimorar o serviço com maior quantidade de tablets para diminuir a aglomeração de pessoas, mas afirmou ser impossível zerá-las.  Já sobre um intervalo estendido, o secretário pontua que algumas escolas estão intercalando o horário das turmas que vão para o recreio. 

Outra manifestação crítica é do agricultor familiar Airi Mossi. Ele fala que a compra de insumos por parte da prefeitura diminuiu drasticamente após o novo modelo implementado, causando prejuízos aos profissionais. O secretário de Educação, porém, nega o corte e diz que o município segue com a ideia de colocar 30% dos alimentos da agricultura familiar nas merendas. 

Continua depois da publicidade

A mudança no modelo de merenda escolar entrou em prática em 25 de setembro, quando a Sepat – Multi Service Ltda passou a preparar e distribuir a merenda, comprar insumos, executar a logística, garantir o funcionamento dos equipamentos e cumprir exigências legais em relação ao número de profissionais, suas especialidades e segurança durante o trabalho. 

Sindicato diz que vai denunciar o caso 

Também contrária ao modelo, a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Joinville (Sinsej), Jane Becker, diz que as escolas continuam com diversos problemas, incluindo a qualidade dos alimentos, a proibição na repetição de merenda e falta de profissionais nas unidades. 

— As cozinheiras saíram da cozinha para uma função de fiscalização, temos recebido diversas denúncias de que falta servidor nas equipes de professores e a auxiliares de educadores, por exemplo. Funcionários estão precisando dar suporte na celeridade da merenda — expõe. 

De acordo com ela, o Sinsej está reunindo materiais para denunciar o caso em diferentes órgãos, como o Ministério Público e, se necessário, acionar o governo federal. Escolas da região sul e leste tem mais denúncias sobre acesso e qualidade da refeição. 

Continua depois da publicidade

Durante a reunião, o secretário Diego Calegari reforçou que não há limite no número de repetições de merenda por aluno, tema que foi ponto de partida das polêmicas a respeito do novo formato de merenda escolar em Joinville.

Uma nova reunião sobre o tema deve acontecer daqui 30 dias. Até lá, os vereadores afirmam que vão fiscalizar a situação.

Leia também

SC deve ter no máximo dois dias seguidos de sol em outubro, segundo meteorologista

Servidor alvo da polícia atua na prefeitura de Joinville desde 95 e teve cargos de confiança

Homem é amarrado com fita crepe até a chegada da PM após tentar furtar bicicleta em Joinville

Destaques do NSC Total