publicidade

Oeste

Fórum discute ações para aeroporto e Rota do Milho 

Evento em Chapecó debateu ações para melhorias em aeródromo e aduana

07/06/2019 - 18h39

Compartilhe

Darci
Por Darci Debona
Objetivo é internacionalizar aeroporto de Chapecó
Aeroporto de Chapecó terá novo voo para Florianópolis a partir de setembro
(Foto: )

As medidas para internacionalização do aeroporto Serafim Enoss Bertaso, de Chapecó, e a solução dos entraves para o início da Rota do Milho foram os principais temas da reunião do Fórum de Competitividade e Desenvolvimento para a Região Oeste, realizada nesta sexta-feira, no Senai de Chapecó.

Estiveram presentes lideranças do Brasil, Argentina e Paraguai, entre elas a vice-governadora de Santa Catarina, Daniela Reinehr, e o secretário de Agricultura, Ricardo de Gouvêa.

O presidente do Fórum, Vincenzo Mastrogiacomo, disse que atualmente não há movimentação de cargas e passageiros suficientes para a internacionalização do aeroporto de Chapecó, mas que isso poderá se tornar realidade, pela posição estratégia da cidade dentro do Mercosul e também pela força exportadora da região. Mas para isso são necessárias estruturas federais como Anvisa, Ministério da Agricultura, Receita Federal e Polícia Federal.

A boa notícia é que em setembro um novo voo da Azul deve operar ligando Chapecó com a capital. Ele sai 5h20 de Chapecó e volta próximo da meia-noite.

Sobre a Rota do Milho Mastrogiacomo falou que na próxima segunda-feira será feito o teste com a balsa em Porto Piray, que fica no lado argentino do rio Paraná, e que fará ligação com Carlos Antônio Lopez, no Paraguai.

Os maiores entraves no momento são a estrutura fitossanitária na fronteira.

O secretário de Agricultura, Ricardo de Gouvêa, disse que esteve com a vice-governadora em Brasília, em reunião com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, além de representantes da Receita Federal, solicitando medidas para melhorar a estrutura na aduana de Dionísio Cerqueira.

O objetivo é trazer milho do Paraguai e também da Argentina para abastecer as criações de aves, suínos e bovinos de Santa Catarina, já que o estado em um déficit de 3 a 4 milhões de toneladas por ano.

Deixe seu comentário:

publicidade