A expressão “Geração Perdida” se refere ao pós-Primeira Guerra Mundial, quando foi cunhada pela escritora americana Gertrude Stein para descrever a geração de jovens que cresceram durante a guerra e foram afetados por suas consequências.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do Hora no Google Notícias

Clique e participe do canal do Hora no WhatsApp

Atribuído tradicionalmente a Gertrude Stein e popularizado por Ernest Hemingway, o termo “Geração Perdida” ganhou destaque nas obras literárias que retrataram a vida daqueles que cresceram durante a guerra e enfrentaram os desafios turbulentos dos anos 1920 até a Grande Depressão.

Continua depois da publicidade

Esta geração, nascida entre 1883 e 1900, vivenciou a juventude em meio ao conflito da Primeira Guerra Mundial e enfrentou os desafios da vida adulta durante os anos de prosperidade e incerteza que se seguiram. Para eles, a guerra marcou não apenas uma ruptura com o passado, mas também uma sensação de desorientação em um mundo pós-guerra.

Características da Geração Perdida

O individualismo e a quebra de regras tornaram-se características marcantes desse grupo, cuja narrativa se entrelaçava com as mudanças sociais e econômicas dos “Loucos Anos 20”. Porém, essas mudanças culminaram na Grande Depressão, aprofundando ainda mais a sensação de desilusão e perda de rumo.

Continua depois da publicidade

Dentre os membros mais notáveis dessa “Geração Perdida”, destacam-se nomes que moldaram a literatura e a cultura do século XX. Ernest Hemingway, F. Scott Fitzgerald, Ezra Pound, Sherwood Anderson, Waldo Peirce, John Dos Passos e T. S. Eliot são apenas alguns dos escritores que surgiram desse contexto de ruptura e transformação.

A “Geração Perdida” não se limitou apenas à literatura, mas também influenciou outras formas de expressão artística. Seu legado pode ser percebido no primeiro advento da música popular e em diversas outras manifestações culturais que marcaram o início do século XX.

Geração C: Entenda as características e quem são os “coronababies”

Prioridades da Geração Perdida

Reconstrução e Estabilidade Pós-Guerra

Após o trauma da Primeira Guerra Mundial, muitos membros dessa geração podem ter priorizado a reconstrução e a busca por estabilidade em suas vidas e em suas comunidades.

Continua depois da publicidade

Busca por Sentido e Propósito

Diante das devastadoras perdas humanas e da desilusão causada pela guerra, muitos indivíduos dessa geração podem ter buscado um sentido mais profundo e um propósito em suas vidas, questionando valores e instituições estabelecidas.

Criação de uma Nova Identidade Cultural

Os anos entre-guerras foram um período de grande mudança cultural e social. Muitos membros dessa geração podem ter se esforçado para definir uma nova identidade cultural em um mundo pós-guerra e em constante transformação.

Estabilidade Financeira e Prosperidade

Com a economia global ainda se recuperando dos efeitos da guerra e enfrentando os desafios da Grande Depressão, a busca por estabilidade financeira e prosperidade pode ter sido uma prioridade significativa para muitos membros dessa geração.

Continua depois da publicidade

Exploração de Novas Formas de Arte e Expressão

Como parte de uma época marcada pelo surgimento de movimentos artísticos e culturais inovadores, muitos indivíduos dessa geração podem ter buscado explorar novas formas de arte e expressão como uma maneira de processar e responder às experiências que enfrentaram.

Leia mais

Geração Z: Entenda quando começa e suas características

Geração Alfa: Conheça mais sobre os nascidos no século XXI

“Baby boomers”: as características dos nascidos após a Segunda Guerra

Destaques do NSC Total