nsc
dc

Polêmica

Globo de Ouro 2022 sofre boicote da NBC e da Netflix após acusações de racismo e corrupção

A emissora NBC anunciou que não vai transmitir a cerimônia do ano que vem

11/05/2021 - 07h34

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
boicote Globo de Ouro
Desde uma investigação do jornal americano LA Times, publicada em fevereiro, o Globo de Ouro tem se tornado um grande alvo de denúncias e críticas
(Foto: )

Pouco após o grupo responsável pelo Globo de Ouro - a HFPA, sigla da Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood - divulgar mudanças internas mirando o aumento de diversidade racial, artistas e empresas do setor intensificaram críticas e polêmicas envolvendo a premiação, ao romper parcerias importantes.

A começar pela emissora americana que usualmente transmite o prêmio, a NBC. Nesta segunda (10), ela anunciou que não transmitirá a cerimônia em 2022 devido à avalanche de críticas contra a organização por falta de diversidade e transparência. "Continuamos acreditando que a HFPA está comprometida com uma reforma significativa. Mas uma mudança desta magnitude requer tempo e trabalho, e acreditamos que a HFPA precisa de tempo para fazê-lo bem", informou a NBC em um comunicado.

> HBO divulga primeiras imagens de série derivada de Game of Thrones

A Netflix também disse não acreditar nas novas políticas propostas. "Não acreditamos que essas novas políticas propostas resolverão os desafios sistêmicos de inclusão e diversidade da HFPA, nem a ausência de transparência de suas operações", afirmou Ted Sarandos, um dos diretores-executivos da Netflix, numa carta enviada aos organizadores do Globo de Ouro, na sexta (7). "Portanto, estamos interrompendo todas as atividades com a HFPA até que mudanças mais significativas sejam feitas. A Netflix e muitos dos talentos e criadores com quem trabalhamos não podem ignorar o fracasso coletivo da HFPA em abordar essas questões cruciais com urgência e rigor."

Desde uma investigação do jornal americano LA Times, publicada em fevereiro, o Globo de Ouro tem se tornado um grande alvo de denúncias e críticas. A reportagem revelou que não havia, até então, nenhum negro entre os membros da associação, o que fez o grupo receber acusações de racismo. Além disso, comitês do prêmio são acusados de fazerem parte de um esquema de troca de favores, no qual eleitores aceitam dinheiro, viagens e presentes em troca de indicações no Globo de Ouro. A HFPA, no entanto, nega a acusação de corrupção.

> Loki, nova série da Marvel, estreia no dia 9 de junho

Na sexta, a associação anunciou a aprovação da inclusão de 20 novos membros, o aumento do recrutamento de jornalistas negros na equipe e a contratação de um diretor de diversidade. "Entendemos que o trabalho duro começa agora", disse Ali Sar, presidente da HFPA. "Continuamos dedicados a nos tornarmos uma organização melhor e um exemplo de diversidade, transparência e responsabilidade no setor." No entanto, as medidas não agradaram boa parte do setor do cinema e da TV de Hollywood, o que ficou evidente na onda de críticas feitas ao prêmio no mesmo dia.

Rival da Netflix, o Amazon Prime também suspendeu parcerias com a HFPA. Jennifer Salke, diretora do streaming, disse num comunicado que sua empresa aguarda "uma solução sincera e significativa" do prêmio. Para a presidente da Time's Up Foundation, Tina Chen, as novas medidas do Globo de Ouro são "insuficientes e pouco transformadoras".

> Luca, novo filme da Pixar, ganha trailer inédito

Mais de cem empresários de publicidade e relações públicas de Hollywood assinaram uma nota criticando a associação. "Continuaremos a nos privar de quaisquer eventos da HFPA, incluindo coletivas de imprensa, a menos que essas questões sejam esclarecidas em detalhes com um firme compromisso que respeite a realidade da temporada de 2022, que se aproxima", diz a nota.

No Twitter, o ator e cineasta americano Mark Ruffalo publicou um texto crítico ao Globo de Ouro e revelou que não se sente feliz por ter recebido o prêmio de melhor ator em série, por I Know This Much Is True neste ano. Depois dele, a atriz Scarlett Johansson, estrela de Viúva Negra, também se juntou aos profissionais do setor e rompeu laços com a associação do Globo de Ouro. De acordo com a revista Variety, Johansson definiu a HFPA como "uma organização que foi legitimada por pessoas como Harvey Weinstein para ganhar o reconhecimento da Academia." A atriz afirmou ainda que aguarda uma reforma que seja realmente transformadora no prêmio.

> Invocação do Mal 3 ganha primeiro trailer; assista

> Curta da Pixar explora o passado de personagem de Soul, filme vencedor do Oscar

"Ouvimos as preocupações sobre as mudanças que nossa associação precisa fazer e queremos garantir que estamos trabalhando diligentemente em todas elas", disse Ali Sar, numa carta enviada à Netflix. "Podemos garantir que nosso plano reflete a opinião de nossos apoiadores e críticos, e acreditamos que nosso plano irá conduzir a uma reforma e inclusão significativas em nossa associação, de uma forma que toda a indústria [do cinema e da TV] possa se orgulhar."

Colunistas