publicidade

Política
Navegue por

Enxugamento

Governo federal extingue mais de 13 mil cargos efetivos

Segundo publicação do Diário Oficial da União, mais de 93% desses postos de trabalho já estão vagos

12/04/2019 - 14h10

Compartilhe

Por Agência Brasil
Corte deve atingir, entre outras pastas, ministérios da Economia e da Saúde, além da Advocacia Geral da União (AGU)
Corte deve atingir, entre outras pastas, ministérios da Economia e da Saúde, além da Advocacia Geral da União (AGU)
(Foto: )

Passado um mês do decreto presidencial que extinguiu 21 mil cargos comissionados, funções e gratificações da esfera federal, o governo Jair Bolsonaro anunciou o fim de 13.231 vagas. De acordo com o texto publicado no Diário Oficial da União, mais de 93% desses cargos já estão vagos. Apenas 916 aguardam a desocupação pelos órgãos aos quais estão submetidos.

Assessores do governo explicaram que as funções aplicadas a estas vagas estão obsoletas para a atual dinâmica. Entre cargos incluídos no decreto figuram os de jardineiro, técnico em radiologia, guarda de endemias, mestre de lancha e operador de máquinas agrícolas.

As vagas elencadas no texto oficial deixam de existir a partir de 12 de junho de 2019, reduzindo organogramas dos Ministérios da Economia e da Saúde, da Advocacia Geral da União, da Fundação Nacional de Saúde e do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal (Sipec).

O enxugamento da máquina pública tem sido um objetivo da equipe de Bolsonaro desde o início do governo. No caso de cargos comissionados, funções e gratificações extintos com o decreto de 13 de março deste ano, a expectativa do governo era de economia de mais de R$ 190 milhões anuais.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação