Um caso raríssimo vem chamando a atenção nos Estados Unidos. Uma mulher do Estado do Alabama descobriu que está grávida de gêmeos, um em cada útero. Kelsey Hatcher tem 32 anos e nasceu com um útero duplo, condição conhecida como útero didelfo.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

A americana relata a experiência da gestação em publicações regulares em sua rede social. “Um grande milagre por si só. Estatisticamente, isso representa uma probabilidade de 1 em 50 milhões”, afirma Kelsey em uma das postagens.

Hatcher descobriu a anomalia quando tinha 17 anos. Segundo ela, os médicos sempre afirmaram que seria muito difícil conseguir engravidar. A mulher teve outros três filhos em gestações normais.

Durante uma entrevista ao programa Good Morning America, a equipe médica de Kelsey afirmou que trata os bebês como gêmeos bivitelinos. O mais provável, conforme os médicos, é que a paciente ovulou separadamente e um óvulo desceu em cada trompa, ficando um em cada útero. A fertilização, portanto, ocorreu separadamente.

Continua depois da publicidade

“Meus médicos me disseram que esse é um território desconhecido para todos eles. Isto é, nenhum médico na equipe já realizou um parto de gêmeos de uma mãe com um bebê em cada útero”, relata a americana em outro post.

Por isso, as gestações são consideradas independentes, o que significa que as datas de parto podem ser diferentes. A equipe médica espera que os bebês nasçam em torno do dia 25 de dezembro.

O que é útero duplo ou didelfo

O útero didelfo é uma anomalia caracterizada pela separação total dos dois ductos mullerianos, estruturas presentes no útero – o que ocasiona a formação de dois úteros e dois colos de útero.

Continua depois da publicidade

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), as malformações uterinas são anormalidades causadas ao longo do processo embrionário de formação do útero.

Apesar da dificuldade de quantificar a incidência desses tipos de problema, já que muitas vezes são assintomáticos, estudos mostram a presença de anomalias em 3% a 5% da população geral.

Leia também

Rodovias de SC seguem interditadas mesmo após chuva dar trégua

Empresário sueco que matou sócio em Balneário Camboriú tem prisão preventiva decretada

Destaques do NSC Total