Os casos de Hepatite A em Santa Catarina aumentaram 38,8% em mulheres no ano passado. Os dados do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (DCCI) do Ministério da Saúde apontam que em 2017 o valor era de 18 casos e em 2018 passou para 25. Já entre os homens, apesar dos valores serem mais elevados os dados não tiveram alteração, com 48 ocorrências em ambos os anos. A Hepatite A pode ser prevenida via vacinação disponível no SUS.

Continua depois da publicidade

Em comparação com os outros dois estados da região sul, SC é o segundo colocado em quantidade de ocorrências atrás apenas do Rio Grande do Sul em ambos os sexos. As gaúchas somam 55 registros no último ano e uma elevação de 129% em comparação com 2017, por sua vez, os gaúchos contabilizam 103 casos em 2018, com uma elevação de 119%.

Histórico dos últimos 10 anos em SC:

Ocorrências nos últimos 10 anos em SC
Gráfico comparativo das hepatites virais em SC nos últimos 10 anos (Foto: Ministério da Saúde – DCCI)

Aumento em Florianópolis chega a 100%

Entre as capitais da região Sul, Florianópolis está empatada com Curitiba no número de casos no sexo feminino com três registros. Entretanto, o Paraná se manteve estável, enquanto na capital catarinense houve o incremento de um registro, o que representa um crescimento de 50%, passando de dois para três entre 2017 e 2018. Já no sexo masculino Florianópolis tem um aumento percentual de 100%, indo de 12 para 24 casos nesse período. O valor está atrás apenas de Porto Alegre, com um acréscimo de 190%, indo de 12 para 35 registros.

Os dados do MS são corroborados por outra pesquisa realizada localmente por um laboratório de análises clínicas com atuação na Grande Florianópolis.

Continua depois da publicidade

O levantamento da empresa avaliou 11.217 pessoas que realizaram exames diagnósticos nas 30 unidades na região entre 2015 e 2018. Observou-se que os resultados positivos para a doença triplicaram em 2017 e quadruplicaram em 2018, quando comparados a 2015. A maioria homens entre 20 e 39 anos.

A médica patologista e diretora do laboratório Annelise Wengerkievicz Lopes, explica que essa ampliação é percebida não apenas localmente, mas também a nível nacional e até mesmo internacional. Segundo ela, não pode se precisar o porquê, porém fatores relacionados indicam que é a forma de transmissão que pode ocorrer de maneira fecal-oral por sexo sem proteção o principal fator para esse incremento.

— Como profissional da área da saúde a gente observa que o mundo todo está olhando com cuidado para isso. Observou-se um crescimento em outras doenças sexualmente transmissíveis como sífilis e HIV. Um exemplo é o ‘surto’ de Hepatite A que ocorreu em 2017 em São Paulo, onde a secretaria municipal de saúde passou a oferecer a imunização para homens que fazem sexo com homens, travestis e transexuais — afirma Lopes

Entretanto, a médica ressalta que o cuidados de higiene são fundamentais para evitar a propagação da doença que não é transmitida apenas por via sexual, mas também por alimentos e até mesmo água contaminada, já que é semelhante a parasitoses.

Continua depois da publicidade

— Nos Estados Unidos houve inclusive um surto da doença em um creche por causa de morangos contaminados com o vírus. Há uma vigilância internacional em relação a isso, por exemplo, americanos que vêm para cá tem indicação obrigatória da imunização contra a doença — diz Annelise

Hepatite A

A Hepatite A é uma infecção aguda no fígado causada pelo vírus (HAV) e o tratamento se baseia em dieta e repouso. Geralmente melhora em algumas semanas e a pessoa adquire imunidade, ou seja, não terá a doença novamente.

Os sintomas do vírus costumam aparecer de 2 a 4 semanas após a infecção, são eles: fadiga, febre baixa, dor muscular, náusea, vômitos e urina escura. Geralmente dura menos de dois meses. Há ainda a forma grave de manifestação da doença, conhecida como fulminante, que pode levar a morte. A recomendação é que quem estiver com estes sintomas procure um médico. Na maioria das vezes, não tem sintomas em crianças, mas em adultos costuma ser mais severa.

— Para identificar a hepatite é necessária a realização da sorologia que busca a presença de anticorpos contra o vírus. O teste fica pronto em 48 horas e pode ser coletado em qualquer uma de nossas unidades — explica Wengerkievicz

Continua depois da publicidade

Prevenção

A vacina contra a doença está disponível no SUS, para crianças de um ano e três meses a 5 anos incompletos (4 anos, 11 meses e 29 dias), e também para individuos de qualquer idade que tenham: qualquer tipo de hepatite crônica, distúrbios da coagulação do sangue, HIV, doenças imunossupressoras e de depósito, fibrose cística, trissomias, hemoglobinopatias e pessoas que sejam candidatos a transplante de órgãos e doadores.

Vacina contra Hepatite A é recomendada
Vacina contra Hepatite A é recomendada (Foto: Rogério da Silva/BD)

Para quem não se aplica nestes grupos e têm entre cinco e 59 anos, a Sociedade Brasileira de Imunização (Sbim) recomenda a vacinação disponível na rede privada. São necessárias duas doses, com custo médio de R$ 150,00 cada. Ela só é contraindicada a mulheres grávidas.

— A imunização é a melhor forma de prevenção com eficácia comprovada de 94% a 100% dos casos — ressalta a patologista

Além da vacina cuidados simples devem ser adotados para evitar a propagação da doença, são eles: lavar e cozinhar bem os alimentos, manter uma boa higiene corporal e usar camisinha.

Destaques do NSC Total