nsc
hora_de_sc

Ajudar quem precisa

Imigrantes venezuelanos realizam ação solidária junto a pessoas em situação de rua em Florianópolis

Na Passarela Nego Quirido, voluntários prepararam almoço com pratos típicos da Venezuela

21/11/2020 - 13h55

Compartilhe

Por Ângela Bastos
A iniciativa teve apoio dos voluntários do Círculos de Hospitalidade, organização que trabalha com ações humanizadas para imigrantes e refugiados
A iniciativa teve apoio dos voluntários do Círculos de Hospitalidade, organização que trabalha com ações humanizadas para imigrantes e refugiados
(Foto: )

Uma ação na manhã deste sábado levou um pouco de solidariedade para pessoas em situação de rua em Florianópolis. A iniciativa partiu de um venezuelano que trabalha na Associação Braços Abertos (ABA), que administra o centro municipal de atendimento a pessoas em situação de rua da Capital, em espaço na Passarela Nego Quirido: os voluntários colocaram seus dons à disposição - enquanto uns cortavam cabelos, outros se dedicavam ao preparo do almoço, que teve frango, arroz, salada de maionese.

Os moradores tiveram a oportunidade de experimentar a culinária típica da Venezuela, como o papelón, bebida refrescante feita à base de rapadura. Também degustaram os tequenhos, uma espécie de rolinho de massa. A iniciativa teve apoio dos voluntários do Círculos de Hospitalidade, organização que trabalha com ações humanizadas para imigrantes e refugiados.

> Rumo ao Guiness Book: conheça o vereador de SC eleito para o 11º mandato consecutivo

De acordo com Bruna Kadletz, coube ao Círculos dar apoio, ajudar no preparo dos alimentos e adquirir as iguarias dos imigrantes venezuelanos que já trabalham com a gastronomia típica. A motivação do idealizador Luís Navarro foi de demonstrar gratidão ao Brasil e apoiar pessoas em situação de extrema vulnerabilidade social na cidade:

- Nós estamos precisando, mas precisamos ajudar quem precisa também.

Os voluntários colocaram seus dons à disposição - enquanto uns cortavam cabelos, outros se dedicavam ao preparo do almoço
Os voluntários colocaram seus dons à disposição - enquanto uns cortavam cabelos, outros se dedicavam ao preparo do almoço
(Foto: )
Os moradores tiveram a oportunidade de experimentar a culinária típica da Venezuela
Os moradores tiveram a oportunidade de experimentar a culinária típica da Venezuela
(Foto: )

É o caso de Leandro, natural de Bagé, no Rio Grande do Sul. O rapaz está há uma semana no abrigo mantido na passarela:

- Vim com a cara e a coragem em busca de emprego. Na viagem, roubaram meus documentos e pertences. Agora estou vendendo bala nas ruas e tentando guardar um dinheiro para comprar um celular. Hoje foi uma das melhores comidas que já comi. Nunca tinha comido o tequenho e achei uma delícia.

> Bolsonaro minimiza questões raciais e diz que lugar de quem prega discórdia "é no lixo"

Jéssica, venezuelana, 41 anos, está há duas semanas em Florianópolis com seu esposo, dois filhos e um primo. Estão em situação de rua e abrigados no hotel providenciado pela Prefeitura. Para ela, a ação é importante por ser uma oportunidade de retribuir o apoio que recebe do povo brasileiro:

- A gente se sente útil em poder contribuir. Estamos ansiosos para conseguir um emprego para melhor a nossa qualidade de vida, e entendemos bem a situação de quem vive como esta gente, em vulnerabilidade.

Jéssica, venezuelana, 41 anos, está há duas semanas em Florianópolis com seu esposo, dois filhos e um primo
Jéssica, venezuelana, 41 anos, está há duas semanas em Florianópolis com seu esposo, dois filhos e um primo
(Foto: )

Colunistas