nsc
santa

Política

Ismael e Naatz citam preocupação com perda de apoio de Bolsonaro; Alba afirma que direita segue unida

Deputados estaduais com reduto eleitoral em Blumenau falam sobre a saída de Sérgio Moro do governo federal

25/04/2020 - 10h25

Compartilhe

Augusto
Por Augusto Ittner
Na ordem: Ismael dos Santos, Ivan Naatz, Ricardo Alba.
Na ordem: Ismael dos Santos, Ivan Naatz, Ricardo Alba.
(Foto: )

Os deputados estaduais Ismael dos Santos (PSD), Ivan Naatz (PL) e Ricardo Alba (PSL) — os três com reduto eleitoral em Blumenau — se manifestaram sobre a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O deputado Ricardo Alba reiterou a lamentação de muitos políticos a respeito da demissão do ministro do governo de Jair Bolsonaro (sem partido), mas afirma que os fatos desta sexta-feira (24) não mudam o apoio ao presidente.

Mais votado em 2018 para a Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), o blumenauense diz “sentir muito” a demissão de Moro por conta do contexto que envolve a Operação Lava-Jato e o combate à corrupção. Alba avalia que poderia ter havido diálogo entre o presidente e o ministro quanto à saída de Marcelo Valeixo do comando da Polícia Federal, porém destaca que o atrito entre ambos não gera divisão entre os bolsonaristas de SC:

> Quer receber notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

— Direita bem fechada com Bolsonaro. Direita unida. Todos nós permaneceremos Bolsonaro, fiéis a ele, leais a ele. A saída do Moro não prejudica o cenário de apoio ao presidente. Eu sinto, porque é uma figura que particularmente gosto muito, e acho que ele poderia ter ficado. Mas o apoio (ao presidente) continua.

O que dizem Ismael e Naatz

Outros dois deputados estaduais com força eleitoral em Blumenau, Ismael dos Santos e Ivan Naatz também reforçam o dano para o governo federal da saída de Sérgio Moro. Ismael se refere ao ministro como uma “proteção ética” ao Palácio da Alvorada e cita preocupação com a perda de apoio do presidente Jair Bolsonaro.

— Acho que existem dias que precisam ser riscados da história do país. Hoje (a sexta-feira) foi um deles. Um dia triste. Moro representava uma espécie de proteção ética e, mais do que isso, representava transparência e justiça no governo. O que me preocupa é que podemos estar diante de um derretimento do governo — avalia o parlamentar do PSD.

Já o deputado Ivan Naatz, que é advogado, cita a palavra “tristeza” e afirma que as decisões e atitudes do governo federal começam a ser cada vez mais questionáveis.

— O Bolsonaro está começando a se perder no governo, o que é extremamente preocupante. As manifestações desnecessárias, como aquela que pedia o retorno do AI-5, o STF de olho, o Congresso de olho... Acredito que o governo começa a se perder de uma forma que daqui a pouco não tem mais caminho — sustenta Naatz.

Colunistas