nsc
hora_de_sc

Apoio

Jogadora de futebol de Jaraguá do Sul faz vaquinha para realizar sonho de jogar e estudar nos EUA

Atleta, que atualmente mora em Florianópolis, ganhou bolsa parcial na Califórnia, mas precisa de ajuda para arcar com os custos do primeiro ano da universidade

29/07/2020 - 18h09 - Atualizada em: 29/07/2020 - 19h27

Compartilhe

Por Janaína Laurindo
Não é a primeira vez que a atleta tem a oportunidade de estudar e jogar nos Estados Unidos - aos 15 anos, perdeu a chance por falta de condições financeiras.
Não é a primeira vez que a atleta tem a oportunidade de estudar e jogar nos Estados Unidos - aos 15 anos, perdeu a chance por falta de condições financeiras.
(Foto: )

Moradora de Florianópolis e natural de Jaraguá do Sul, Joane Ribeiro joga futsal e futebol desde os sete anos. A atleta, de 23 anos, sempre teve o sonho de estudar e jogar futebol em uma universidade dos Estados Unidos. Em 2020, após fazer contato com mais de 300 instituições americanas, ela foi convidada para integrar o time feminino da Westcliff University, em Irvine, na Califórnia. Joane conseguiu uma bolsa parcial, mas para conseguir embarcar para realização do seu sonho precisa reunir 12 mil dólares (R$ 60 mil reais) para pagar as despesas do primeiro ano da universidade. 

— Nesse período, temos que ter dedicação exclusiva. Depois de um ano, poderei trabalhar fora do campus — explica Joane.

A previsão de embarque é no próximo mês e a atleta criou uma vaquinha no site Abacashipara quem tiver interesse em apoiá-la financeiramente (acesse aqui).

Joane começou sua história como atleta profissional na equipe da WEG, na cidade natal, e depois passou por outros times de cidades catarinenses e de Belo Horizonte, onde morou na adolescência. 

Essa não foi a primeira vez que a atleta conseguiu uma bolsa nos Estados Unidos - aos 15 anos, perdeu a chance por falta de condições financeiras. A experiência a desanimou e fez com que ela desistisse de jogar futebol por alguns anos.

> Leia também: Figueirense e Juventus decidem primeiro semifinalista do Campeonato Catarinense

— Passei por muitas dificuldades, preconceito e homofobia, então desisti. Há cerca de dois anos, fui visitar uma amiga em Belo Horizonte e ela estava se preparando para ir jogar nos EUA. Fiquei com isso na cabeça. É muito mais fácil para quem tem condições financeiras, mas eu queria muito ter essa oportunidade também. Então comecei a ir atrás do meu sonho novamente — conta.

Agora, Joane está determinada a fazer o sonho virar realidade. Quem quiser ajudar, é possível contribuir com a vaquinha com valores a partir de R$ 10, e também por meio da divulgação da campanha. A atleta já arrecadou R$ 10.560,80, e se diz feliz com a repercussão e apoio.

> Leia também: Comentarista Caio Ribeiro é diagnosticado com coronavírus

— Estou bem feliz que a galera está apoiando e vendo uma luz no fim do túnel para o futebol feminino — completa Joane.

Colunistas