nsc
santa

Briga de família

Justiça determina que vereador de Indaial vá a júri popular por homicídio de padrasto

Decisão foi publicada quase seis anos após o ocorrido

06/05/2020 - 18h02 - Atualizada em: 06/05/2020 - 20h10

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa
(Foto: )

A Justiça de Indaial definiu que Diego Pandini, vereador da cidade, deve ir a júri popular pelo assassinato do padrasto dele e por tentativa de homicídio do irmão. Em 2014, Diego agrediu os dois com um pedaço de madeira, causando a morte do mais velho. A defesa recorrerá da decisão.

Conforme o documento assinado nesta terça-feira (5) pela juíza Leila Mara da Silva, Pandini será julgado por homicídio simples e tentativa de homicídio. Tanto defesa quanto o Ministério Público têm cinco dias para apresentar a lista testemunhas que falarão em plenário. A data da sessão, porém, ainda não foi marcada.

De acordo com os autos, em maio de 2014 Jair de Andrade e o irmão de Pandini, à época com 16 anos, foram até a casa do parlamentar durante a madrugada. Em uma discussão, o vereador deu pauladas na cabeça e em outras partes do corpo de Andrade, que sofreu traumatismo craniano e outras lesões, não resistindo aos ferimentos.

Veja também: VÍDEO: com a estiagem, idoso encontra escrita que fez em pedra do Rio Itajaí-Açu em 1986

O adolescente teve machucados semelhantes e desmaiou. Em depoimento, disse que foi com o pai, ambos desarmados e alcoolizados, provocar o irmão por brigas de família que "foram acumulando". Diego teria os recepcionado com o pedaço de madeira e partido para as agressões.

Legítima defesa

O advogado de Pandini, Franklin de Assis, sustenta que o cliente agiu em legítima defesa. Naquela noite, os dois teriam ido à casa do vereador e, após jogar pedras no telhado, chamaram o acusado para fora. Segundo a defesa, eles estavam armados com faca e barra de ferro. Com medo que algo acontecesse com a avó, Pandini saiu.

​> Quer receber notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do Santa

— As provas, todos os depoimentos militaram para uma legítima defesa. Eles foram até lá, provocaram ele, havia a idosa no local. A ação do meu cliente só se iniciou quando as agressões começaram por parte deles — reforça Assis.

O defensor encontrará o cliente nesta quinta-feira para falar sobre a decisão. Ele recorrerá ao Tribunal de Justiça, em Florianópolis. Pandini aguarda a evolução do processo em liberdade.

Colunistas