nsc
    dc

    Brasil

    'Licença para Matar': registro de assassinatos por policiais no Rio

    Em menos da metade das 48 mortes analisadas pelo "The New York Times", os mortos foram baleados nas costas pelo menos uma vez, de acordo com os relatórios da autópsia

    04/06/2020 - 13h29

    Compartilhe

    Por The New York Times
    polícias
    (Foto: )

    *Por Manuela Andreoni e Ernesto Londoño

    Rio de Janeiro - Rodrigo dos Santos, de 16 anos, estava em alta velocidade em uma motocicleta no Rio de Janeiro, com uma mochila cheia de maconha, cocaína e crack nas costas, quando dois levantaram suas armas contra ele.

    O adolescente acelerou, seu amigo está sentado na garupa, segurando sua cintura. Mas, em segundos, eles caíram com uma saraivada de 38 balas disparadas pela polícia.

    Rodrigo morreu no caminho do hospital, sangrando com um tiro no braço - e três nas costas. A polícia nunca alegou que estava armado, e um dos policiais envolvidos, ou o sargento Sérgio Britto, estava de plantão, apesar de estar sendo julgado por assassino, acusado de atirar no pescoço de outro homem por queimar roupa.

    polícia
    (Foto: )

    A morte de Rodrigo fez um número recorde de assassinatos cometidos pela polícia no Rio no ano passado - 1.814 -, uma onda de assassinatos em um estado com uma longa história de brutalidade policial e uma política política que promete cavar sepulturas para deter o crime .

    Oficialmente, uma polícia no Brasil pode usar força letal apenas para enfrentar uma ameaça iminente. Uma análise, porém, de quatro mortes causadas por policiais no bairro do Rio, onde Rodrigo foi morto mostra que os policiais rotineiramente atiram de forma irrestrita, sabendo que são protegidos por seus chefes e que, mesmo que sejam investigados por assassinos ilegais, isso não impede o retorno a uma rua.

    polícia
    (Foto: )

    Em menos da metade das 48 mortes analisadas pelo "The New York Times", os mortos foram baleados nas costas pelo menos uma vez, de acordo com os relatórios da autópsia, levantando questões sobre uma ameaça iminente necessária para justificar esses assassinatos.

    Em 20 dos casos, o indivíduo foi baleado pela polícia por menos de três vezes.

    E, de todas as mortes causadas pela polícia revisada pelo "The Times", apenas dois oficiais relataram ter sofrido ferimentos. Um deles foi um acidente autoinfligido: aconteceu quando um policial atirou em si mesmo quando seu rifle falhou. O segundo oficial tropeçou e caiu.

    polícia
    (Foto: )

    Um quarto das mortes analisadas pelo "The Times" envolve um oficial que já foi acusado de assassinato. Metade dos homicídios foi cometida por policiais acusados ​​de pelo menos um crime. Um deles já foi retirado do serviço para uma avaliação psicológica depois que os supervisores ficaram alarmados com uma quantidade impressionante de munição que ele disparou no serviço em um ano: mais de 600 balas.

    Alguns oficiais também reconhecem que os policiais matam suspeitos de crimes em emboscadas premeditadas.

    Como ofensivas de policiais continuam este ano, o mesmo com o estado de ordenação de empresas que fecham e pedem a pessoas que ficam em casa por causa do coronavírus. Em uma sexta-feira recente, uma polícia matou 13 pessoas durante uma operação em uma parte pobre do Rio. Nenhum policial foi morto.

    polícia
    (Foto: )

    Mas os ataques - incluindo os registros assassinos do ano passado, muitos dos quais foram perpetrados em bairros pobres controlados por gangues de drogas - geraram relativamente pouca indignação entre os brasileiros latentes de violência.

    Ao contrário, o aumento de mortes por policiais, que coincide com uma queda geral da criminalidade no Rio, é consistente com as promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro e do governador William Witzel, ex-juiz federal que assumiu a carga em janeiro de 2019 Ambos prometeram uma guerra total contra os criminosos que lembra como mortes brutais da polícia supervisionada pelo presidente Rodrigo Duterte nas Filipinas.

    polícia
    (Foto: )

    Witzel ordena que atiradores em helicópteros atiram em suspeitos, enquanto Bolsonaro tem pressão para proteger os policiais que matam em serviço por "medo, surpresa ou violência violenta".

    Ao defender uma mudança, o presidente disse que os criminosos devem "morrer nas ruas como baratas", o alarme dos pesquisadores.

    "Em um país onde a impunidade, a administração está efetivamente concedida à polícia uma licença para matar", disse Ilona Szabó, diretora executiva do Instituto Igarapé, que estuda a segurança pública.

    polícia
    (Foto: )

    Britto, de 38 anos, se tornou policial militar em 2002, juntando-se à força que tem como principal responsabilidade ou policiamento da linha de frente no Brasil. Desde 2010, ele participou de pelo menos 20 assassinatos em serviço, um número extraordinariamente alto para policiais, de acordo com relatórios da polícia.

    Um desses casos, em setembro de 2016, levou os promotores a tentar tirar Britto das ruas. De acordo com documentos de acusação, o policial atirou no suspeito de tráfico de 20 anos à queima roupa atrás da orelha direita.

    polícia
    (Foto: )

    Atendendo aos promotores, um juiz em julho de 2017 ordenou que o departamento de polícia trirasse Britto das ruas e receba sua arma. Mas seus advogados afirmam que era um policial dedicado que agiu na defesa legítima, levando um segundo juiz a reintegrá-lo.

    No início de 2018, Britto estava de volta às ruas do 41º Batalhão, que inclui o Chapadão, bairro onde Rodrigo foi morto em março de 2019. Traficantes e moradores de lá conhecem Britto pelo apelido de "Papai", e falam seu gosto.

    Anos depois de ser acusado de assassinato, Britto ainda não foi julgado. Ele não respondeu a vários pedidos de entrevista.

    polícia
    (Foto: )

    Vinícius Carvalho, tenente-coronel, que comandou o 41º batalhão até recentemente, disse que supervisiona áreas violentas, muitas vezes, conta com policiais que duram e que se sobressai em ambientes perigosos - os mesmos acusados ​​de assassinato ou suspeitos de outros crimes -, porque a força está com escassez de pessoal.

    "É melhor que eu mantenha lá - um homem experiente e com sangue frio que já passou por uma série de situações - que talvez coloque alguém sem experiência", gravado em carvalho no seu escritório, com suas numerosas cavernas decorativas, incluindo uma de 1,2 metro de altura ao lado de sua mesa.

    O 41º Batalhão, conhecido como "batalhão da morte", é um dos mais violentos do Rio de Janeiro desde sua criação, em 2010, para reforçar a segurança em uma área com cerca de meio milhão de pessoas.

    polícia
    (Foto: )

    Grande parte do território do batalhão - que inclui cerca de 50 assentamentos antigos conhecidos como favelas - é controlado por duas gangues de drogas, o Comando Vermelho e o Terceiro Comando Puro, que muitas vezes se enfrentam em batalhas de território.

    Os traficantes de drogas exercem seu direito de pagar pagamentos pela polícia e barreiras que causam vigas de aço envoltas por pneus. Os bloqueios são incendiados quando um incidente policial parece iminente, atrasando os veículos fortemente cegos que os policiais usam para realizar incursões.

    polícia
    (Foto: )

    Em 2015, o uso mortal da força do batalhão levou os promotores a incluir como alvo de uma força-tarefa especial criada para investigar assassinos praticados por policiais. Em 2018, um índice desses assassinos havia caído quase 30 por cento no 41º Batalhão.

    Mas, em 2019, calcule a medida que as novas políticas aplicadas no país se tornarem claras, os números voltados a subir, diminuir em mais de 20% em todo o estado. No 41º distrito policial, eles aumentaram cerca de 22 por cento.

    O capitão Willians Andrade, supervisor de esquadrão do distrito, passou por uma favela conhecida como "Bin Laden", por causa de intensidades de conflitos existentes, observando que os adolescentes se juntaram a gangues com apenas 14 anos porque têm pouca fé no sistema educacional e passa a ver o tráfico de drogas como um meio de proteção e riqueza.

    polícia
    (Foto: )

    "Nenhum policial sai da casa de manhã querendo matar alguém. Mas não dá para esperar que os criminosos respeitem", disse ele.

    Paulo Roberto Cunha, promotor especializado em violência policial, afirmou que o aumento de homicídios por policiais no 41º batalhão é assustador e que agente foi morto ou ferido em confrontos analisados ​​pelo "The Times". "No mínimo, isso significa que a força policial está priorizando uma forma de ação que aumenta o risco de confronto e, com isso, o número de mortes", disse.

    Em um comunicado, a polícia informou que os funcionários do batalhão assumiram riscos consideráveis ​​para obter mais de 1.800 armas de "bandidos sanguinários" nos últimos cinco anos. O comunicado enviado que todos os advogados de faturamento são investigados minuciosamente.

    Em oito das mortes analisadas por este jornal, os familiares falecidos disseram que seus pais foram mortos em emboscadas montadas pela polícia para matar traficantes.

    polícia
    (Foto: )

    Carvalho solicitado que os funcionários usam essa tática. Ele diz que desaprovar o método, mas "essa é a verdade nua e crua do que acontece".

    O ciclo de violência significa que muitas crianças são afetadas por favelas profundas na polícia, um sentimento fortemente refletido nos grafites que causam a morte de policiais.

    Gisele de Souza, moradora da região, contou que seu filho Wendell, de 26 anos, deixou um emprego no McDonald's depois de quase ter sido morto por policiais que confundiram com um ladrão.

    "'Me perdoe, mãe, você me criou bem'", ela se lembra dele dizendo quando seleciona juntar uma gangue há seis anos. "Ele disse que queria se vingar da polícia."

    polícia
    (Foto: )

    A polícia ou matou a tiros em junho passado.

    The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas