Sem calendário nacional desde 2021, o Joinville busca uma vaga na Série D 2025 através do Campeonato Catarinense deste ano. Para isso, precisa terminar entre os três melhores clubes sem divisão nacional. Porém, a atual má fase de Brusque e Chapecoense, fora da zona de classificação para a próxima fase do estadual, podem atrapalhar os planos do tricolor.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Joinville e região no WhatsApp

Além do JEC, estão sem divisão Barra, Concórdia, Hercílio Luz, Inter de Lages, Marcílio Dias e Nação Araquari. Conforme o regulamento, Santa Catarina tem direito a três representantes na Série D, por estar entre o segundo e nono lugar – atualmente em oitavo – no Ranking Nacional de Federações da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

Sendo assim, o critério para a classificação do Joinville à Série D é ficar em primeiro, segundo ou terceiro lugar na classificação geral do Catarinense entre os times sem divisão, somando os pontos da primeira fase e o mata-mata do estadual.

Continua depois da publicidade

Perto do fim da 7ª rodada, o JEC permanece na sexta colocação, com 10 pontos somados. Além do tricolor, estariam na Série D o Marcílio Dias, segundo colocado, e o Barra, quinto colocado. Entretanto, também estão na zona de classificação para a próxima fase do estadual o Hercílio Luz, sétimo colocado, e o Inter de Lages, na oitava posição.

Nesta configuração, como há cinco clubes sem divisão na zona de classificação para a próxima fase, que é as quartas de final, o Joinville precisaria chegar, pelo menos, às semifinais para garantir a vaga na Série D, ficando assim, entre os três melhores sem divisão.

Caso quatro clubes sem divisão avancem às semifinais, os classificados se definem entre os critérios da classificação geral.

*Sob supervisão de Lucas Koehler

Leia também

Andarilho invade prefeitura em SC armado com facão, provoca corre-corre e acaba preso

Nação demite técnico Sandro Sargentim após derrota para o Figueirense

JEC cresceu na parada; Chape se perdeu e saída de Claudinei Oliveira foi inevitável 

Destaques do NSC Total