nsc
santa

Superação

Mãe e filha internadas no mesmo dia com Covid-19 em Blumenau se recuperam e relatam luta pela vida

"Se quer fazer algo, faça agora" aconselha Lavínia Santos Batista, jovem que ficou quase três meses longe da mãe

07/04/2021 - 13h21 - Atualizada em: 07/04/2021 - 16h45

Compartilhe

Brenda
Por Brenda Bittencourt
Alexandra e Lavínia superaram a Covid-19 e agora podem ficar juntas novamente
Alexandra e Lavínia superaram a Covid-19 e agora podem ficar juntas novamente
(Foto: )

— Se quer fazer algo, faça agora.

Este é o conselho de Lavínia Santos Batista, de 23 anos. Ela e a mãe, Alexandra Maria Silva Santos, 40, foram internadas no mesmo dia, no Hospital Santo Antônio, em Blumenau, para enfrentar as complicações do coronavírus. A jovem recebeu alta dois dias depois, no entanto, a mãe não teve melhoras e precisou continuar os tratamentos no hospital por quase três meses.

Foram 78 longos dias, semanas eternas, mas Lavínia nunca perdeu as esperanças de que a mãe ficaria bem. A estudante do nono semestre de Direito lembra que entre as pessoas próximas ninguém mais acreditava que a mãe dela voltaria para casa.

> Receba todas as notícias de Blumenau e região no seu WhatsApp. Clique aqui.

— Tentei manter o pensamento positivo, pensar que logo ela estaria em casa, não só por mim, mas por ela também.

Do dia da internação, em 18 de dezembro, em diante, a doença foi piorando para Alexandra. O quadro evoluía rápido e as notícias nunca eram boas. Em 25 de dezembro, no Natal, Lavínia soube que a mãe estava sendo intubada e ficaria em uma UTI.

— Parecia que o mundo estava se abrindo sob os meus pés e eu fui caindo em um buraco sem fim.

O tempo foi passando. Uma médica e uma psicóloga do hospital chegaram a ligar para a filha de Alexandra para conversar. A jovem conta que este foi um dos piores momentos. As profissionais explicaram que não havia mais chances para a mulher, ela já estava no último estágio da doença, apenas um milagre poderia salvá-la. E ele aconteceu.

Lavínia disse que nunca perdeu a fé de que a mãe voltaria. Ela sabia que as duas iriam novamente ficar juntas para poder comemorar essa nova chance de vida.

— Eu pensei sim que ela fosse morrer, a gente sempre pensa, mas eu acredito no Deus do impossível e acreditava que um milagre seria feito — contou emocionada.

Depois de quase dois meses e meio, veio a notícia de que Alexandra estava melhorando e logo poderia ir para casa. Transbordando de felicidade, Lavínia fez planos para o reencontro enquanto a mãe permanecia no hospital.

— Eu só queria que ficássemos juntas, sem mais ninguém, mas com muito amor e carinho. Foi exatamente como imaginei.

Viva o hoje

No mês passado, Alexandra pôde ir para a casa e as duas puderam continuar os planos para o futuro. Lavínia conta que a formatura dela era um dos sonhos da mãe e que elas poderão estar juntas neste momento.

Mãe e filha são da Bahia e se mudaram para Blumenau há 17 anos em busca de mais qualidade de vida, emprego e estudo. São apenas as duas — e um cachorro. Segundo a filha, elas sempre foram muito ligadas.

As duas têm inúmeros planos para o futuro, mas estão vendo a vida de forma diferente. Não querem mais esperar para realizar todos os sonhos.

— Adiantamos tudo. Não queremos esperar mais para o próximo dia, ou para a próxima semana, porque não sabemos o dia de amanhã e pode ser tarde demais — finalizou.

Colunistas