nsc
dc

Eleições municipais

Maguito Vilela é eleito prefeito de Goiânia e segue internado na UTI com Covid-19

Eleito na Capital de Goiás está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, desde o dia 27 de outubro para tratamento

29/11/2020 - 19h05 - Atualizada em: 29/11/2020 - 19h06

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Maguito Vilela está internato com Covid-19
Maguito Vilela está internato com Covid-19
(Foto: )

Ainda internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, para tratamento da Covid-19, o ex-governador de Goiás Maguito Vilela (MDB) foi eleito prefeito de Goiânia. Ele alcançou 52,60% dos votos válidos neste domingo (29) com 100% das urnas apuradas. Maguito já havia ficado à frente do senador Vanderlan Cardoso (PSD) no primeiro turno, quando recebeu 36,02% dos votos válidos contra 24,67% do adversário.

A disputa em Goiânia ficou mais tensa depois do primeiro turno, com a vantagem de Maguito de quase 12% em cima de Cardoso, e com o ex-governador internado para tratamento da Covid-19 há mais de um mês. A equipe de Maguito pediu investigação da Polícia Federal sobre fake news que estariam circulando a respeito do estado de saúde do candidato.

> Confira o resultado do 2º turno nas capitais do Brasil nas Eleições 2020

Segundo a equipe, o emedebista, que tem 71 anos, recebeu o diagnóstico de infecção pelo novo coronavírus no dia 20 de outubro e foi internado no Hospital Israelita Albert Einstein, em Sao Paulo, uma semana depois. 

Maguito Vilela está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, desde o dia 27 de outubro para tratamento da Covid-19. Está intubado desde o dia 15 de novembro, dia do primeiro turno, após uma piora inflamatória e infecciosa nos pulmões. De acordo com o último boletim médico, ele segue com ventilação invasiva com traqueostomia e hemodiálise contínua.

> Veja como foi o resultado do 1º turno nas capitais brasileiras

Também no dia 15 de novembro, a equipe dele divulgou uma nota de repúdio a boatos que estavam circulando sobre o estado de saúde do candidato. "Isto é sinal da falta de caráter de quem faz tudo pelo poder e não respeita nem a luta do candidato contra a Covid-19", diz a nota.

Maguito teve apoio de nomes importantes

Ex-governador de Goiás, ex-prefeito de Aparecida de Goiânia, uma das maiores cidades do estado, ex-deputado estadual e federal e senador, Maguito juntou cinco partidos, além do MDB, na sua atual coligação - PMB, PTC, Patriota, Republicanos e PC do B– e tentou associar seu nome ao do atual prefeito da capital Iris Rezende (MDB), figura importante na política goiana.

Rezende não manifestou apoio no primeiro turno mas, no segundo, apareceu em um vídeo pedindo orações a Maguito, que foi seu vice no governo do estado, e o chamou de "nosso candidato".

> Bruno Covas (PSDB) é eleito prefeito de São Paulo nas Eleições 2020

Já o senador Vanderlan Cardoso recebeu apoio do governador Ronaldo Caiado (DEM) - o DEM de Caiado integra a coligação do candidato do PSD junto ao PTB, PSC, PP, PMN e Avante.

Tensão na campanha eleitoral

Em entrevista à rádio Sagres, questionado sobre como via sua campanha no segundo turno, o senador disse que foi bombardeado no primeiro turno, acusou a campanha de Maguito de não respeitar a doença do candidato e questionou porque o vice dele aparecia menos que o filho de Maguito, o presidente estadual do MDB, Daniel Vilela.

Maguito foi eleito ao lado do vereador por dois mandatos Rogério Cruz (Republicanos). O candidato a vice de Vanderlan, Wilder Morais (PSC), concorreu ao Senado, pelo DEM, em 2018.

Leia também:

> Sebastião Melo é eleito prefeito de Porto Alegre nas Eleições 2020

> Edvaldo Nogueira confirma favoritismo e é reeleito prefeito de Aracaju

> Cícero Lucena é eleito prefeito de João Pessoa no segundo turno

Colunistas