Mais de 100 câmeras de monitoramento foram utilizadas para localizar e prender o suspeito, de 27 anos, de ter importunado sexualmente uma estudante de psicologia, de 20, na tarde da última segunda-feira (9), na Avenida Hermann August Lepper, bairro Saguaçu, em Joinville. 

Continua depois da publicidade

Acesse para receber notícias de Joinville e região pelo WhatsApp

De acordo com a Polícia Civil, o homem foi localizado na casa da companheira e confessou ter cometido o crime. Conforme o delegado Rodrigo Maciel, da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami), o suspeito estava fazendo compras no Centro quando teria tido uma “compulsão pelo ato”, sem ter planejado a situação. 

Jovem denuncia estupro em avenida de Joinville: “Levou um pouco da minha vontade de viver”

A delegada Tânia Harada ressalta que a agilidade de Nina Tobal em denunciar o crime para os policiais foi fundamental para encontrar o suspeito. A divulgação nas redes sociais, porém, de acordo com Tânia, poderia ter atrapalhado o caso, já que o homem poderia ter fugido da cidade após a repercussão. 

Continua depois da publicidade

O homem será encaminhado ao presídio na manhã desta quarta-feira (11). A Polícia Civil não revelou o bairro em que o suspeito foi preso. 

Denúncia expõe crime

No relato nas redes sociais, a jovem afirmou que sofreu violência sexual de um homem na avenida por volta das 16h30. De acordo com a vítima, o suspeito teria agarrado ela pelo braço, anunciou que era um assalto e a jogou, com violência, contra uma árvore. 

“Falou que ia me matar se eu esboçasse alguma reação. Eu fiquei calma, disse que podia levar o que quisesse, contanto que não me machucasse”, diz a denúncia.

Em seguida, porém, o homem passou a se masturbar e, após 40 segundos, ejaculou nas pernas da garota.  Após o estupro, o suspeito ainda teria feito novas ameaças. “Quando acabou ele disse para eu seguir reto e não olhar para trás. Não levou nada material, mas levou um pouco da minha vontade de viver”, lamenta. 

Continua depois da publicidade

Momentos depois, Nina acionou a Polícia Militar e, após ser atendida, foi encaminhada para a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami), onde prestou depoimento.

Veja o relato da jovem nas redes sociais:

Leia também

Denúncia de estupro em Joinville repercute entre políticos e influenciadores: “Indignação”

Com três casos de feminicídio em 48 horas, SC tem início de ano mais violento desde 2019

Famílias de vítimas de chacina em Joinville aguardam liberação dos corpos: “Fiquei sem chão”

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total