nsc
an

Acidente

Marido conta detalhes do acidente em que mulher foi atropelada em Joinville

Ele estava com os filhos no carro quando motorista que estaria embriagado atropelou Jussara

14/08/2018 - 11h12 - Atualizada em: 14/08/2018 - 14h58

Compartilhe

Por Redação NSC
Douglas mostra a foto da mulher, que está internada no hospital
Douglas mostra a foto da mulher, que está internada no hospital
(Foto: )

Três dias depois de Jussara de Fátima Vilanova, 37 anos, ser atropelada por um motorista que estaria bêbado no bairro Vila Nova, em Joinville, a família da auxiliar administrativa tenta reunir forças para seguir em frente. O marido Douglas Rodrigo Belém, 31 anos, e os quatro filhos do casal ainda estão abalados com o acidente, mas começam a se reestruturar porque sabem que terão de dar todo o apoio na recuperação de Jussara.

Mulher é atropelada por motorista que estaria embriagado em Joinville

— Eu tento ser forte, dar apoio e nunca vou abandonar ela. Ela pode ficar de cadeira de rodas que eu vou ficar com ela para o resto da vida. Foi uma tragédia, mas precisamos levantar a cabeça — comenta o marido.

A esposa sempre foi uma mulher independente. Saía com os filhos para ir ao shopping, fazer atividades fora de casa, trabalhava em uma empresa e ainda revendia produtos de beleza para conhecidos. Uma mulher muito guerreira, forte e determinada, além de uma mãe dedicada que pensa muito nos filhos.

Motorista que estaria embriagado ao atropelar mulher é solto em Joinville

Imagens mostram a mulher abrindo o porta-malas e o carro se aproximando
Imagens mostram a mulher abrindo o porta-malas e o carro se aproximando
(Foto: )

Mulher ainda não sabe que teve perna amputada

Jussara teve parte da perna esquerda amputada por causa do acidente e ainda passará por uma cirurgia na perna direita para colocar platina e parafusos. Ela já consegue abrir os olhos, apertar a mão e responder com a cabeça. Douglas contou a ela que precisará passar por cirurgia, mas ainda não soube que perdeu parte da perna.

— Vai ser um trauma, um momento complicado e muito triste — conta.

Trauma para a família

O marido está superando o acidente aos poucos. Todas as noites ainda repassa as imagens da colisão na cabeça, quando vai para casa e deita na cama sem a esposa. Um trauma que vai demorar a ser superado e que ele não deseja à ninguém.

— Eu só peço a Deus que a ilumine, ela se recupere e volte para casa. Vou precisar readaptar minha casa e eu vou fazer sem problemas. O que eu quero é ter ela comigo, com a vida dela restabelecida.

Jussara ainda deve ficar mais algum tempo internada até poder voltar para casa com a família. Ela não teve lesões em outras partes do corpo e os sedativos começaram a ser retirados pela equipe médica. Agora precisa se estabilizar mais para fazer a cirurgia na perna direita e aguardar para completar a recuperação.

Mulher está na traseira do carro e o outro veículo pode ser visto na imagem
Mulher está na traseira do carro e o outro veículo pode ser visto na imagem
(Foto: )

Entenda como foi o acidente

O acidente aconteceu por volta das 19h20 de sábado. O casal estava em casa com a filha de nove anos e o filho de três. Uma das filhas gêmeas, de 17 anos, jogava paintball no bairro Boa Vista, quando ligou para o pai buscá-la. Douglas queria ir de motocicleta, mas a esposa pediu para que ele fosse de carro. A ideia era dar uma volta com as crianças e aproveitar o passeio.

No meio do caminho, Jussara sugeriu passar na pizzaria, onde a outra filha de 17 anos trabalha, para receber o dinheiro que uma funcionária queria entregar a ela pela venda de produtos de beleza. O marido parou o carro do lado de fora e a esposa entrou. Quando estava saindo, outra funcionária do comércio pediu um catálogo dos produtos para Jussara. A mulher foi buscar no porta-malas do carro, no momento em outro veículo a atingiu.

Douglas saiu do carro, prestou atendimento à esposa, enquanto os filhos ficaram assustados com o acidente. O pai se dividia entre cuidar de Jussara e das crianças. Emocionado ao relembrar das imagens, ele conta que pensa todos os dias se as pessoas já nascem com a vida traçada e se o que aconteceu com a esposa não teria um propósito.

— Eu me pergunto toda noite se a gente precisava passar por isso. Se alguém chamasse e ela (Jussara) desse uma paradinha para olhar para trás, o motorista teria batido no meu carro e nada teria acontecido com ela. Infelizmente, foi uma tragédia e agora temos que seguir a vida.

Colunistas