nsc
    dc

    Foto

    Máscaras escondem expressões faciais e deixam olhares em evidência

    Necessárias para impedir a disseminação do coronavírus, as máscaras interferem em aspectos importantes da comunicação não-verbal

    26/07/2020 - 07h53 - Atualizada em: 26/07/2020 - 08h52

    Compartilhe

    Marina
    Por Marina Martini Lopes
    Hoje, com a pandemia de coronavírus, boa parte do nosso rosto, um refinado aparato de comunicação, está oculta pelas mácaras
    Hoje, com a pandemia de coronavírus, boa parte do nosso rosto, um refinado aparato de comunicação, está oculta pelas mácaras
    (Foto: )

    Faça uma experiência: da próxima vez em que conversar com um amigo pelo telefone - ou enviar um áudio no WhatsApp, recurso bem mais popular hoje em dia - tente se observar. Você provavelmente vai sorrir ao falar sobre uma coisa boa. Vai revirar os olhos ao contar sobre algo que tirou sua paciência; vai dar de ombros quando estiver comentando que não se importa mais com alguma coisa; vai franzir a testa ao dizer que algo o deixou confuso. Talvez até gesticule com os braços, com as mãos: se estiver explicando como seu amigo deve fazer para chegar até determinado lugar, vai apontar e "desenhar" o caminho no ar, como se a conversa estivesse acontecendo cara a cara.

    - Isso é automático: faz parte da nossa espécie - explica o psicólogo Eduardo José Legal, professor do curso de psicologia da UNIVALI, em Itajaí (SC), ao comentar por que continuamos gesticulando e fazendo expressões faciais mesmo em momentos em que nada disso parece ter serventia. - Bebês com vinte e quatro horas de vida já são capazes de demonstrar uma série de expressões faciais; e reconhecem bem algumas delas, como o sorriso ou a falta dele. Se você ficar muito sério encarando um bebê, ele facilmente começa a chorar. Ou seja, ele já responde expressões faciais de forma socialmente adequada.

    Segundo o especialista, as expressões faciais fazem parte de um "sistema geral de comunicação" inerente aos seres humanos. 

    - Elas têm como principal finalidade a demonstração de afetos e do estado motivacional do sujeito para o mundo - afirma o professor. - Acredita-se que, antes do surgimento da comunicação verbal, já havia comunicação não-verbal; especialmente comunicação facial. Nosso rosto é todo preparado para isso: ele tem uma série de adaptações que outros animais não apresentam, pelo menos não na mesma extensão. Nossa diversidade de movimentos faciais é muito maior mesmo do que a de outros animais próximos, como chimpanzés e gorilas. Isso evidencia que, ao longo do processo de evolução, essas características se mostraram fundamentais.

    Hoje, com a pandemia de coronavírus, boa parte desse refinado aparato de comunicação está oculta pelas máscaras - que protegem quem usa e quem está por perto de contaminações, e por isso, é claro, são bem-vindas e necessárias. Mas interferem de fato na interação; mesmo que os seres humanos tenham outros recursos para demonstrar sentimentos e intenções. 

    - Nós também comunicamos com outras partes do corpo, por meio de gestos ou posturas; mas esse tipo de comunicação é menos universal. Varia de acordo com a cultura, por exemplo, com o que é aprendido socialmente. A expressão facial, não: já é um programa que vem pré-instalado na gente, uma ferramenta que nos permite decodificar emoções - diz.

    A interação com o rosto parcialmente coberto pelas máscaras encontra certa semelhança com aquela feita online por meio de textos - não à toa, os emoticons (os pictogramas criados por meio dos sinais de pontuação) e emojis (os ícones ilustrados já embutidos nos aplicativos e redes sociais) nos acompanham desde o surgimento dos primeiros "bate-papos pela internet". 

    - O emoji indica qual expressão facial acompanha uma frase que foi dita. Com isso fica mais fácil saber em que tom a outra pessoa está falando, ou qual a exata intenção dela ao dizer alguma coisa - frisa.

    Na falta de sorrisos (e de emojis), os seres humanos andam recorrendo muito mais a uma parte do rosto que às vezes é considerada, por assim dizer, íntima demais: os olhos. Quem não conhece uma pessoa tímida que normalmente evita encarar os outros diretamente nos olhos? Com as máscaras, os olhos passam a ser a única parte expressiva do rosto que permanece à mostra; e são mais buscados por outros olhos em busca de informações e significados - mesmo que sejam, por assim dizer, bem mais sutis que o nariz e a boca.

    - Existem experimentos que mostram que, se você cobrir só a metade inferior do rosto de uma pessoa, um observador tem muito mais dificuldade de entender qual emoção aquela pessoa está expressando do que se você cobrir só a metade superior do rosto - afirma o professor Eduardo. - A boca e o nariz produzem expressões mais explícitas, por assim dizer; além de microexpressões, que muitas vezes nem são percebidas conscientemente, mas influenciam a interação. Crianças, especialmente, fazem a decodificação de emoções usando a metade inferior do rosto; adultos, dependendo do caso, passam a recorrer também aos olhos.

    Mesmo mais enigmáticos, os olhos são as famosas "janelas para a alma" a que precisamos recorrer enquanto o resto do rosto permanece oculto e protegido. Nos comunicamos por eles, e, é claro, também por meio de gestos, palavras ou sinais. Mas as palavras e sinais, tirando raras exceções, são calculados; bem diferente do que acontece com nossos olhares e expressões faciais. O psicólogo Eduardo José Legal resume: 

    - É muito mais fácil mentir com palavras.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas