nsc

Saúde 

Medo do coronavírus faz pacientes com outras doenças adiarem tratamento, afirma especialista 

Doenças crônicas precisam de tratamento imediato para evitar situações graves 

22/04/2020 - 14h06 - Atualizada em: 22/04/2020 - 15h10

Compartilhe

Juliana
Por Juliana Gomes
Leandro
Por Leandro Lessa
Doenças crônicas precisam de atendimento imediato
Doenças crônicas precisam de atendimento imediato
(Foto: )

Durante a pandemia de coronavírus, pacientes com outras doenças precisam manter seus tratamentos, alerta o cardiologista Fernando Graça Aranha. Apesar do isolamento social, ele reforça que que a população deve procurar atendimento médico para diagnóstico ou emergência, obedecendo as normas de higiene e proteção para evitar a Covid-19.

> Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

— As pessoas estão deixando de procurar serviços de emergência por medo de se contaminar pelo vírus. No que se refere às doenças cardíacas, o tempo pode ser determinante para o desfecho. O paciente que demorar seis a oito horas para procurar o hospital, além do que deveria, pode ser a diferença entre viver ou não viver numa situação de infarto — explicou.

Conforme Graça Aranha, derrames, cânceres e doenças infecciosas como pneumonia, infecções urinária e de pele, entre outras, precisam de cuidados imediatos. Segundo ele, a maior parte dos hospitais estão preparados com atendimento especial, além de acessos e alas diferentes para os pacientes com sintomas de problemas respiratórios.

— Os pacientes estão com medo de fazer as quimioterapias, radioterapias. Um medo completamente compreensível, uma vez que são pessoas que têm um risco maior de contraírem o vírus. Aí, os pacientes morrem em casa ou chegam a situações muito graves — afirmou.

Ouça a entrevista com o cardiologista Fernando Graça Aranha:

Graça Aranha enfatiza que todos que se desloquem para os atendimentos devem usar máscara, manter distanciamento de outras pessoas e fazer a higiene das mãos.

— Os hospitais como um todo estão vendo que as outras doenças sumiram, na verdade não desapareceram. Estão apenas recebendo menos atenção do que deveriam. Os tratamentos devem continuar porque ainda não sabemos por quanto tempo teremos que conviver com isso — declarou o médico.

"Vai retardar o tratamento", diz oncologista

Na área dos cânceres, o médico Ernani São Thiago reforça o discurso que os pacientes que devem fazer tratamentos contínuos de saúde estão deixando de ir aos locais para que seja acompanhada a sua situação. Inclusive, algumas pessoas estão abandonando o tratamento de neoplasias com potencial curativo.

— Um fato inegável é que diagnósticos e encaminhamentos não estão acontecendo. Vai retardar o tratamento, e isso é grave, principalmente no que se refere a tumores malignos. Outro aspecto pouco considerado é que o indivíduo está em casa ansioso e com medo, o que são fatores agravante de uma série de patologias — disse o oncologista.

Ernani revela que recebeu uma informação da chefia do Hospital de Caridade, localizado no Centro de Florianópolis, de que houve uma queda de 25% no movimento. Mesmo que existem menos pessoas estejam dando entrada por causa do número menor de acidentes de trânsito, o especialista relata uma redução na fila de espera para o tratamento.

— Nós, com a tecnologia, daqui a pouco vamos começar a fazer uma série de diagnósticos em casa. Mas temos que cruzar essa tendência com o atendimento pessoal. A conversa e o olho no olho são componentes importantes e básicos na Medicina, e se mantém até hoje com todo o conhecimento moderno reforçando isso, não refutando — complementou o médico.

Ouça a entrevista com o oncologista Ernani São Thiago:

> Painel do Coronavírus: veja dados atualizados das cidades de Santa Catarina

Colunistas