Um menino de 13 anos, identificado como Antony da Silva Maldonado, morreu afogado ao entrar no mar de Navegantes com os amigos e não conseguir sair de uma corrente de retorno. Os bombeiros militares tentaram reanimá-lo, mas não houve como reverter o quadro.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

Antony amava o mar, contou uma colega de turma, e estava com dois amigos na Praia Central, na tarde de terça-feira (23), quando o acidente aconteceu. Eles foram arrastados pela corrente de retorno e só dois conseguiram voltar para a areia. O local estava fora da área do posto salva-vidas, comentaram os socorristas.

Eles foram acionados e, com duas motos aquáticas e o helicóptero Arcanjo, encontraram o garoto depois de cerca de uma hora de buscas. Foram feitos os procedimentos de ressuscitação cardiorrespiratória, mas sem sucesso.

Morador de Navegantes e aluno do oitavo ano na Escola Municipal Professora Neusa Maria Rebelo Vieira, no Centro, a notícia do afogamento de Antony comoveu a região. “O coração da profe está partido. Não consigo imaginar nossa sala sem você. Cuida de nós aí, anjo lindo”, escreveu uma das professoras do adolescente.

Continua depois da publicidade

Um amigo também comentou o quanto Antony era sorridente e alegre, de sorriso contagiante. “Um grande menino de ouro”, resumiu.

O que fazer ao cair em uma corrente de retorno

O oceanógrafo Carlos Eduardo Salles de Araújo explicou, em entrevista ao NSC Total, que as ondas nem sempre chegam à praia em uma linha paralela com a orla – às vezes, chegam formando um ângulo, em uma espécie na diagonal. Isso cria uma espécie de canal que leva as águas de volta para o mar. Nessas correntes, o mar costuma ser mais fundo e a cor, por isso, mais escura.

Em geral, no mar, o banhista consegue perceber apenas que está sendo puxado para os lados. Mas é quando duas correntes laterais dessas se juntam que se forma a corrente de retorno, puxando o banhista para o mar.

Continua depois da publicidade

— Normalmente as pessoas se assustam, porque nessa área da corrente é mais fundo e não costuma dar pé, e não conseguem mais sair. A orientação é evitar as correntes, que são sinalizadas com bandeiras, mas, se acabar caindo em uma delas, nunca nadar contra a corrente, porque você dificilmente vai vencer. É recomendado tentar nadar lateralmente ou para o fundo, porque no final da corrente esse movimento para — orientou Carlos Eduardo.

Leia mais

Taxa extra nos carnês do IPTU em Indaial entra na mira do Ministério Público

Destaques do NSC Total