nsc
    dc

    Saúde

    Morte de detento do Presídio Regional de Criciúma por meningite é confirmada

    DEAP informou que os presos que dividiam a cela com a vítima foram medicados

    29/07/2019 - 10h43 - Atualizada em: 29/07/2019 - 10h51

    Compartilhe

    Lariane
    Por Lariane Cagnini
    (Foto: )

    O Departamento de Administração Prisional (DEAP) confirmou a morte de Marcos Borges de Araújo, 22 anos, por meningite meningocócica. Ele estava recluso no Presídio Regional de Criciúma e morreu no último sábado, 27, no Hospital São José. A unidade está superlotada, são 1009 detentos para 696 vagas, mas o DEAP informa que nenhum outro preso apresentou sintomas da doença.

    Marcos teve febre na segunda-feira, 22, foi atendido pelo Setor de Saúde da unidade e encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento. Ele foi atendido e retornou ao presídio, onde foi medicado. Na noite do mesmo dia, ele passou mal e foi levado ao hospital, quando foi diagnosticado um quadro de meningite. Ele passou por exame laboratorial, que identificou a bactéria para iniciar o tratamento.

    Segundo o DEAP, a partir da confirmação do diagnóstico os internos que dividiam a cela com Marcos foram isolados e submetidos a um tratamento preventivo. Nenhum deles apresentou qualquer sintoma, e o cronograma de visitas foi mantido sem alterações durante o final de semana.

    Vacinação

    O SUS oferta vacinas contra quatro tipos de meningite, são elas:

    BCG, que protege contra a meningite turberculosa, com uma dose ao nascer;

    Pentavalente, que protege contra as infecções invasivas, entre elas a meningite, causadas pelo Haemophilus influenzae sorotipo b, com doses que devem ser aplicadas aos 2, 4 e 6 meses de vida;

    Meningocócica C, que protege contra a doença meningocócica causada pela Neisseria meningitidis sorogrupo C, com doses aos 3 e 5 meses e um reforço aos 12 meses de idade. Os adolescentes de 12 e 13 anos também deve ser vacinados, com dose única que serve também como reforço;

    Pneumocócica 10, que protege contra as infecções invasivas, entre elas a meningite, causadas por dez sorotipos do Streptococcus pneumoniae, com doses aos 2 e 4 meses de idade e um reforço aos 12 meses.

    Colunistas